domingo, dezembro 20, 2009

quinta-feira, dezembro 03, 2009

SABIA QUE JOSEFA DE ÓBIDOS POR AMIUDADAS VEZES VIVEU EM PENICHE

Por: Fernando Engenheiro
Do enlace matrimonial celebrado na Vila de Óbidos na última década do século dezasseis entre Paulo Gomes Figueira, com a profissão de tendeiro, e Luísa Lopes, doméstica, houve os seguintes filhos:
Maria Figueira, nascida em 1594, que casou com Francisco Lopes, lavrador do Cadaval; Isabel Gomes, nascida em 1597, que casou com o serralheiro Francisco João; António Gomes Figueira, nascido ao que parece em 1600, que veio fixar residência em Peniche, na rua então designada por "do Espirito Santo" (nas imediações do actual Largo de S. Pedro). Este exerceu a actividade de mercador. Aos 27 anos de idade, ingressa na Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Peniche (L.º de juramento dos Irmãos da Santa Casa n.º 179, de 1637/1660). Aos 39 anos de idade, a 21 de Junho de 1639, verifica-se o seu óbito na Vila de Óbidos e o seu funeral ali teve lugar. Por último nasceu BALTAZAR GOMES FIGUEIRA (tem-se como certo a data do seu nascimento no ano de 1604).
Baltazar, com a idade própria do cumprimento dos deveres militares, parte aos 21 anos para a Andaluzia, integrado num contingente de oitocentos infantes portugueses, em que estavam incluídos estudantes da Universidade de Coimbra e da região de Leiria, a fim de prestar serviço militar na guarnição de Santa Maria de Cadiz, já que a governação portuguesa na época estava incluída no Governo de Espanha, sob a administração do Rei Filipe III (IV de Espanha).
Com a sua estadia ao serviço do exército, articula a acção militar com o aprendizado de pintura e estadeia nos círculos artísticos de pintores afamados na época, onde também se proporcionavam encontros no seu estabelecimento de arte na cidade de Sevilha entre os anos de 1626-1628.
Com a idade de 25 anos, em Novembro de 1629 (tudo leva a crer que ainda antes) já conhecia aquela que seria a sua futura esposa, D. Catarina Camacho de Cabrera Romero, como testemunha uma carta de "arras de promessa de casamento" passada em notário sevilhano, em Triana.
Em Novembro de 1629 celebra-se o enlace matrimonial, que tudo aponta ter ocorrido na paróquia de San Martin de Sevilha, com aquela jovem andaluza, filha de Juan Ortiz de Ayala e de sua primeira mulher D. Juana Camacho, ao tempo já falecida.
Do seu casamento, com uma certa antecipação, tiveram o primeiro filho, a que na pia baptisma1 da paroquial sevi1hana de S. Vicente, a 20 de Fevereiro de 1630, foi dado o nome de JOSEFA DE AYALA E CABRERA. Foi padrinho da criança o grande pintor Francisco de Herrera, el Viejo, homem das relações do avô materno, o mercador Juan Ortiz de Ayala. Decorridos dois anos, precisamente no mesmo dia e mês, na paroquial de San Miguel de Sevilha, com a assistência do Cónego da Catedral, Padre António de Arnijo, que serviu de padrinho, foi efectuado o baptismo do seu segundo filho, que se encontrava bastante enfermo, de seu nome "Luísa".
Com a sua nova responsabilidade de casado, assume a profissão de pintor que escolheu para o seu futuro e que abraça com todo o vigor e energia própria da sua idade.
Em 13 de Junho de 1631 é examinado pelo Grémio dos Pintores de Sevilha, com júri formado pelos pintores Miguel Guelles, Francisco Varela e Jacinto de Zamora, sendo considerado hábil e suficiente para poder praticar a arte de pintura de óleo e de dourado. sendo-lhe permitido abrir loja e receber discípulos.
É referido como:
"valtasar gomez vezino de esta ciudad en la collación de San Martin natural de la villa de obidos arcobispado de la ciudad de Lisboa hijo lexitimo de pablos gpmez y luisa lopez que es un joven de buen cuerpo los dientes apaisados de hasta edad de veinte y siete años".
Os primeiros anos que se seguiram na vida do artista não lhe sorriram profissionalmente por falta de cumprimento de certos trabalhos artísticos de poderes dados a terceiros (Pedro de Olivier e Francisco de Alquiver, de Baiona), o que deu origem a questão que envolveu um pleito que levou o artista a ser detido nos cárceres de Sevilha, sendo solto mediante fiador.
Continuando envolvido no mesmo assunto, foi pouco tempo depois sentenciado a satisfazer o pagamento de uma garantia que fora obrigado a entregar àqueles indivíduos, por intermédio do seu fiador, o português Simão da Fonseca Pina.
Talvez por estes assuntos, resolveu regressar às suas origens e, com a família então formada, fixar residência na terra onde nasceu.
A 24/6/1635 já Baltazar Figueira, com o seu agregado familiar, se encontrava em Portugal e a residir em Peniche, na casa que com seu tio compartilhou no já referido actual Largo de São Pedro.
Serve de base esta data por ter sido o dia em que foi baptizada a sua terceira filha "Basília" na Igreja matriz de Nossa Senhora de Ajuda, em Peniche (Arquivo Distrital de Leiria, L. º de Baptismos de Nossa Senhora da Ajuda, 1622-1643, fl. 46). Casou esta Basília de Ayala com o lavrador do Cadaval Manuel Borges da Costa, de quem não teve descendentes. Fez testamento em Lisboa em 1702, falecendo em Dezembro de 1705 (ANTT, Registo Geral de Testamentos, L.º 108, fls. 39v. - 141).
Não sendo conhecidas as suas qualidades artísticas no meio em que se inseriu, tenta logo apresentar trabalho, de modo a dar a conhecer o seu talento profissional.
Tudo leva a crer ser em Peniche, na época em que aqui está a residir (1635/1636), que executor a sua primeira obra após o seu regresso de Sevilha: pinta
as nove telas para o tecto de caixões da capela-mor da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, o que custou à Irmandade erecta daquele templo 14$400 réis.
Representam aqueles óleos sobre telas: Santo Agostinho - A Adoração do Cordeiro Místico - São Gregório Magno - O Rei David - A Assunção da Virgem - O Sacrifício de Isaac - Santo Ambrósio - O Sonho de Jacob - São Jerónimo.
Parece ser também da sua autoria um arruinado painel do "Julgamento das Almas" colocado no altar designado por "das Almas" no lado da epístola na Igreja de S. Pedro, desta Cidade.
A Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Peniche, possivelmente satisfeita com aquelas obras de arte e nele depositando confiança, encarregou-o, a mando do Provedor, Francisco Viana, de pintar uma tela do "Calvário", pelo preço de 5.080 réis. Esta destinava-se a ornamentar a Sala do Despacho da Igreja daquela Instituição. (Arquivo da Mis.ª de Peniche, L.º de Receita e Despesa, 1635/1707, fls. 2).
Já a residir em Óbidos, na Rua Nova, é baptizado, a 7 de Junho de 1637, na Igreja de Santa Maria, novo filho do casal, que tomou o nome de "José". Trata-se do futuro Padre José Ortiz de Ayala, sacerdote do hábito de S. Pedro, estudante de Canones na Universidade de Coimbra, bacharel em 1658, licenciado em 1659, que foi cura em S. Pedro de Torres Vedras.
Baltazar trabalha novamente para a Santa Casa da Misericórdia de Peniche em 1641 e, com outros oficiais, recebe a quantia de 14.930 réis em parte do pagamento pela pintura de dois retábulos colaterais da Igreja.
Novo filho do casal é baptizado na Igreja de Santa Maria de Óbidos a 16 de Junho de 1641. Foi-lhe foi dado o nome de "Antónia". (Arquivo Distrital de Leiria, L.º de Mistos de Santa Maria de Óbidos, 1618/1643, fls. 56). No mesmo templo esta Antónia casa, a 19 de Março de 1659, com o pintor José Pereira da Costa, natural do Porto, filho do pintor, também portuense, António Pereira da Costa.
Com o nascimento deste seu último irmão estava Josefa há uns tempos internada pelos pais, na qualidade de "donzela emancipada de seus pais" no Convento das Ermitas Agostinhas de Santa Ana de Coimbra. Contava agora 11 anos de idade.
Ali começou os seus passos na arte de pintar óleos sobre telas, bem como na pintura sobre cobre em que também evidenciou o seu talento. A partir de então nunca mais parou, servindo-se da sua veia artística para seguir a profissão do seu avô materno assim como a de seu pai.
Com breves incursões a Peniche (em cuja Misericórdia a encontramos a trabalhar em 1679), são da sua autoria a pintura a óleo sobre tela, em forma de painel de luneta (com as dimensões: altura 0,450m. x largura 0,740m.) representando a Santa Face (obra não assinada), bem como o Calvário que é também uma pintura sobre tela, com as dimensões: altura 1,60m. x largura 1,74m., (com fragmentos da assinatura "...pha em Óbidos").
Viveu quase sempre, como é de crer, em Óbidos ou no Casal da Capeleira, próximo daquela Vila, ausentando-se apenas para realizar uma ou outra obra de maior vulto ou satisfazer qualquer encomenda excepcional.
Preenchia o seu ambiente familiar com a sua idosa mãe, viúva a partir de 1670, bem como com duas sobrinhas órfãs, Josefa Maria e Luísa (filhas da irmã Antónia e do pintor José Pereira da Costa), que a acompanharam até a morte.
Decorridos pouco mais de cinco anos de ter executado os trabalhos encomendados pela Santa Casa da Miseric6rdia de Peniche, no dia 13 de Junho de 1684, estando enferma e residindo então, com as duas sobrinhas, na Rua Direita, de Óbidos, fez testamento, "sentada sobre a cama em todo o seu perfeito juízo e entendimento". E, no mês seguinte, aos 22 de Julho de 1684, Josefa de Ayala e Cabrera, "emancipada com licença dos pais" e "mulher donzela que nunca casou", faleceu com 54 anos de idade deixando fama de suas grandes virtudes e do seu notável talento de pintora.
A sua produção artística, particularmente de índole religiosa (exceptuando-se, entretanto, algumas telas famosas com motivos de "naturezas mortas") encontram-se depositadas em diversos lugares, como a Igreja de Santa Maria de Óbidos, a Misericórdia de Figueiró dos Vinhos, a Igreja Matriz de Cas­cais, Lourinhã e Peniche, o Museu Machado de Castro (Coimbra), o Museu Nacional de Arte Antiga (Lisboa), o Museu Regional de Évora, residências particulares, etc..
APONTAMENTOS DIVERSOS:
Parentes residentes em Peniche (não foi possível, por falta de elementos, identificar o seu grau de parentesco:
(Doc. de 2/5/1627) - Domingos Gomes Figueira Francisco Figueira; João Figueira; Cristovão Figueira; Rodrigo Figueira (doc. de 1635), filho de Domingos Gomes Figueira).

segunda-feira, novembro 30, 2009

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO FAROL DA ILHA DA BERLENGA

Por: Fernando Engenheiro
Os pioneiros da navegação muito cedo verificaram que velejar à noite era uma perigosa aventura.
Naufrágios, barcos encalhados, tripulações afogadas e cargas perdidas eram acidentes que ocorriam com frequência, quase sempre causados pela escuridão, que iludia os navegantes levando-os a se aproximar demais da costa.
Para evitar os equívocos, que resultavam em tragédias, só havia uma solução: iluminação. E, como era impraticável levar a luz ao mar, o recurso era mantê-lo mesmo em terra.
Desde os tempos mais remotos que os navegantes procuravam assinalar o relevo litorâneo por meio de fogueiras, o que se transformou em praxe para aqueles viajantes.
Só mais tarde, mas muito antes da nossa era, foi projectada e construída, diante da cidade de Alexandria, no Egipto, uma portentosa obra que sobrepujou tudo o que até então se conhecia no que respeita à sinalização costeira.
Situada na pequena ilha de Pharos (daí a origem da palavra “farol”), a imensa torre erguia-se a 120 metros de altura. Celebrizada como uma das “sete maravilhas do mundo antigo”, essa grandiosa torre de Alexandria foi o primeiro grande farol da história. Um terramoto derrubou-o no século XIV.
Hoje o número de faróis de navegação existentes no mundo é enorme.
No nosso País foi a partir de meados do século XVIII, na época do primeiro ministro de D. José, Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal, que a criação desses sinais pela costa tiveram o seu maior desenvolvimento, pois que até então estavam dispersos por confrarias marítimas e conventos.
Foi pelo Alvará Pombalino de 1758 que os faróis passaram a ser uma organização oficial, atribuída à Junta do Comércio.
Este Alvará manda construir seis faróis para guia da navegação da costa, distribuídos por zonas diversas, e a Ilha da Berlenga - a ilha maior do arquipélago das Berlengas, a Berlenga Grande - foi contemplada naquele documento.
O Estado, com a melhor das boas intenções, fez tudo quanto estava ao seu alcance de modo a que os naufrágios fossem mais reduzidos graças àqueles padrões de apoio à navegação. Foram, em princípio, empregadas velas de sebo como fontes de luz. Mas estas tinham o inconveniente de produzir pouca claridade, de maneira que era preciso usar uma porção delas para conseguir um foco luminoso razoável. Em vista disso o raio de alcance dos faróis na época era muito reduzido. Mesmo assim tardou anos a sua substituição.
Anos depois, pelo Decreto de 12/12/1836, procedeu-se à construção de um novo farol na ilha em substituição do anterior ali existente. Foi encarregado do projecto para a sua edificação o Engenheiro Gaudêncio Fontana, ao serviço de Sua Majestade a Rainha D. Maria II, reinante na época.
A Câmara Municipal deu todo o apoio à obra, pondo à disposição a pedreira existente para dela ser extraída toda a pedra que fosse necessária, incluindo a destinada às cantarias, conforme deliberação tomada em sessão camarária de 18/6/1840. As obras foram iniciadas em 1839 e concluídas em finais de 1840, tendo o Farol iniciado o seu funcionamento em 1841. Todo o processo foi conduzido sob a fiscalização geral das Alfândegas do Reino.
É de salientar aqui José Maria Lopes Carneiro, do Conselho de Sua Majestade, o qual muito concorreu para esta obra de geral utilidade pública. O Ministério, que tinha debaixo da sua orientação os Serviços Gerais dos Faróis, quis honrar D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gota (D. Fernando II), segundo marido de D. Maria II, dando àquele Farol a denominação de "Duque de Bragança", nome que oficialmente conservou até ao nossos dias.
A sua torre quadrangular foi construída em alvenaria, com cunhais de cantaria, tendo na parte superior uma varanda de cantaria que a eleva a 29,22 metros, e a 114 metros de altura sobre o nível do mar.
Dotada de um aparelho catóptrico de rotação, que se manteve até 1897, sendo o sistema iluminante inicial constituído por dezasseis candeeiros de Argan com reflectores parabólicos dispostos todos na árvore em um mesmo plano, e em quatro ordens horizontais de quatro candeeiros cada um.
Avistava-se, até l865, a uma distância de 20 milhas, em boas condições atmosféricas. A luz era branca, de eclipses de 10 segundos, de três em três minutos.
Para bom andamento destes serviços foram contratados pela Alfândega Grande de Lisboa os primeiros guardas especializados: Luís António e José Epifânio de Carvalho, cujos vencimentos eram pagos por aquela Entidade.
Por falta de condições para o bom funcionamento dos serviços, foram construídas casas anexas ao farol em 1851, 1858 e 1860, destinando-se esta última a depósito de azeite, que era o combustível usado nos candeeiros.
Em 1897 o aparelho lenticular foi substituído por uma óptica Hiper-Radiante (isto é, com 1330 m/m de distância focal) que lhe conferia um alcance luminoso não inferior a 30 milhas, em estado médio de transferência atmosférica.
Ainda antes da sede do Concelho estar electrificada, o que só ocorreu a 10/7/1930, já o Farol da Berlenga gozava desse privilégio desde 1926.
Mais tarde, correspondendo à evolução dos tempos, foi ali instalado um Rádio-Farol, que em 1985 foi integralmente automatizado, retirando-se a óptica e instalando-se em sua substituição um bloco rotativo constituído por lâmpadas de halogéneo montadas em ópticas seladas providas de reflectores parabólicos (ou seja um aparelho PRB-21).
Este conjunto é alimentado por grupos electrogéneos e está apto a funcionar sem a presença de faroleiros no local; dispondo de vários automatismos para o efeito, embora para a sua boa manutenção se mantenham ali sempre dois homens ao serviço, que são rendidos de 6 em 6 dias. O seu alcance luminoso, em condições médias de transferência, é de 27 milhas, sendo a sua rotação de 20 segundos e de 3 relâmpagos brancos.
Com a integração automática de todo o equipamento do Farol, ocorrida na década de 80, tudo passou a ser mais fácil para os seus trabalhadores. Até ali o seu quadro era constituído por 7 faroleiros, em serviço permanente, escalonados por "quartos" como na navegação, tendo como chefe, quase sempre, um sargento da Marinha. Trabalhavam oito horas e descansavam outras oito. No tempo que lhes sobrava adaptavam-se a todos os serviços como sendo serralheiros, mecânicos, electricistas, telegrafistas, motoristas, carregadores, astrónomos, observadores e, ao cabo, faroleiros. Sentiam-se apoiados com as suas famílias que permaneciam com residência fixa juntamente com eles, o que lhes dava um ânimo especial para que a solidão muitas vezes lhes passasse ao lado.
Era como que uma pequena aldeia, com as suas oito casas de habitação, suas oficinas, suas casas de motores, sua central eléctrica e seus geradores de sonoridade - a sereia dos temíveis nevoeiros, com roncos constantes de cinco segundos, seus 11 depósitos-tanques de petróleo, que comportavam 40.000 litros de combustível, seu paiol de gasolina, suas instalações de observatório meteorológico, pavilhões de aparelhagem e de telegrafo - átrio da cisterna, capoeiras de galinhas e estendal de roupa, etc.
Assim era a vida humilde destes faroleiros, limitada pelo mar que os circundava, que tinham como seu Rossio o alto da Berlenga e que, por contingência, ali eram verdadeiros ermitas.
APONTAMENTOS DIVERSOS:
Encontra-se no Museu da Direcção-Geral dos Far6is um painel da antiga óptica de Fresnel do Farol das Berlengas que se admite ser uma das maiores do mundo ou, pelo menos, da Europa, que esteve instalada naquele farol até 1985.
Em Junho de 2001 foram, com a colaboração da Força Aérea Portuguesa, que disponibilizou um helicóptero para efectuar os seis voos necessários para o seu transporte, colocados no farol 40 painéis fotovoltaicos. Tratava-se dos painéis solares adquiridos para este farol destinados a substituir os geradores tradicionais, contribuindo assim para a preservação ambiental daquela Reserva Natural.
É de salientar que é o único dos 51 faróis existentes ao longo da costa de Portugal continental, Açores e Madeira a sinalizar terra à navegação com luz gerada por painéis solares.
Lembro aqui os tempos duros de um grupo de homens do campo (Ferrel e Atalaia) que, nos anos 50/60 e até 70, uma vez por ano abasteciam com combustível aquele Farol empurrando por todo o trajecto que vai do cais ao cimo da ilha bidões de 200 litros. Eram pagos por cada bidão que rolassem até ao destino.
Como curiosidade: Quando da visita à ilha do Dr. Oliveira Salazar, na companhia do então Ministro da Marinha Almirante Américo Tomás, a 9/7/1952, todo o pessoal que trabalhava no farol foi obrigado a fardar-se com o seu uniforme principal para receber aquelas personalidades, pois que, à última hora, Salazar fez questão em conhecê-lo, o que não estava no programa da visita.
Em Agosto de 1955 uma brigada de técnicos dos C.T.T. deslocou-se à ilha para concluir a instalação, no Farol, de um aparelho radiotelefónico. A partir de então as Berlengas passaram a dispor de ligação telefónica ao continente. Só assim foi possível, algum tempo depois, a montagem da rede telefónica servindo a Pousada de São João Baptista e o Pavilhão Mar e Sol, evitando-se, assim, que qualquer chamada telefónica implicasse uma deslocação ao Farol, o que sucedeu durante algum tempo.

quinta-feira, novembro 26, 2009

QUEM FOI LUIS CORREIA PEIXOTO

Por: Fernando Engenheiro
João Correia Peixoto, seu pai, ainda muito novo, no último quartel do século dezanove, deixou a Vila de Sesimbra, onde nascera na freguesia de S. Tiago a 19/4/1876.
Rumou a Peniche, deixando para trás sua família, e aqui fixa residência, trabalhando por algum tempo com a profissão de caixeiro.
Assentou praça pela Comissão Recenseadora Militar do Concelho de Peniche a 29/9/1896. Logo após o cumprimento dos deveres militares a que foi sujeito, aos 22 anos de idade, com uma vida inteira pela frente, quis aventurar-se rumando à então Província Ultramarina de Angola. Embarcou no vapor ''Malange'' a 12 de Fevereiro de 1898, para uma estadia de 1898/1902, na cidade de Luanda.
Tinha como destino encontrar-se com o Governador daquela antiga Província logo após o seu desembarque, que ocorreu a 7 de Março daquele ano.
Por aquelas bandas enriqueceu os seus conhecimentos nos ramos do comércio e da indústria piscatória. Em 1906, em Peniche, já fazia parte de uma firma comercial denominada "António Canha & Peixoto” e em 1910 era sócio de um barco de pesca com a designação "José Acúrcio Nunes Rego de Carvalho & Peixoto".
Depois da implantação da República, já como proprietário, comerciante e industrial de pescarias, a 27/8/1911, faz o seu voto perante a provedoria da Santa Casa da Misericórdia de Peniche como irmão daquele estabelecimento pio. A 14/7/1915, depois de fazer parte de diversas comissões de âmbito municipal, é nomeado pelo Governador Civil do Distrito de Leiria Administrador Interino do Concelho de Peniche. A seu pedido foi exonerado deste cargo a 22 de Setembro do ano seguinte.
Aos 42 anos de idade, com uma vida próspera pela frente já que esta lhe sorria de dia para dia, vitimado pela mortífera epidemia que então ficou conhecida pela “pneumónica", faleceu a 28/10/1918.
Deixou viúva D. Umbelina Cândida Ferreira Peixoto e um filho varão de tenra idade (11 anos) nascido a 5/10/1907. Este fora baptizado na Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Conceição, em Peniche, de onde era natural, pelo Padre José Cândido Gualberto da Costa Leal, Pároco do lugar e freguesia de Serra de EI-Rei. Foi-lhe dado o nome de LUÍS DE GONZAGA FERREIRA CORREIA PEIXOTO.
Era então administrador espiritual da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição o Padre Manuel das Neves Barata, a quem foi formulado o necessário pedido, por seu pai, pelas suas vinculadas amizades políticas de então, fazer questão em ser o Padre José Cândido o celebrante do acto. Foram padrinhos Artur Correia Peixoto e Olímpia Correia Peixoto, sua esposa, proprietários, residentes em Sesimbra.
Com a idade própria frequentou o ensino primário elementar num antigo edifício que servia ambos os sexos situado na antiga Rua da Ponte (hoje integrada na actual Rua Alexandre Herculano) em frente do Jardim Público da Cascata, em Peniche. No ano lectivo de 1917/1918, já estava em pleno funcionamento o novo edifício escolar hoje popularmente conhecido por "Escola Velha", mas com a designação oficial de "Escola Primária n.º 1".
Ao que nos é dado saber foi seu mestre durante a instrução primária Francisco Maria Freire, sendo um dos primeiros alunos que este leccionou após a entrada em actividade como professor em Peniche, a partir de 1913. Seu pai ainda testemunhou com orgulho o resultado do seu exame da “4.a classe” com a classificação de "distinção". Dos 10 alunos que naquele período foram propostos a exame só dois foram agra­ciados com aquela classificação, por proposta apresentada pelos examinadores, a 5/8/1918, Santos Lima, professor primário em Serra de EI-Rei, e D. Urbana Trin­dade, também professora do ensino primário em Peniche. Foram eles Luís Gonzaga Ferreira Correia Peixoto e Manuel Gustavo Monteiro Seia.
Seu pai, com o orgulho e a alegria que lhe ia na alma, quis testemunhar a sua gratidão pelo ensino que proporcionou tão boas provas de exame a seu filho oferecendo ao professor Francisco Freire um relógio de pulso (objecto de luxo e raro para a época). Falecendo pouco depois, já não lhe foi possível acompanhar a preparação para o futuro do seu filho que, após concluir a instrução primária, frequentou o Liceu Camões onde concluiu o curso liceal em 1924.
Luís Correia matriculou-se depois na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, que frequentou durante dois anos. Aos 20 anos de idade, em Janeiro de 1927, ainda estudante, foi recenseado pela freguesia de Conceição (Peniche), sob o n.º 105. Foi inspeccionado pela Comissão Militar dos Serviços de Defesa tendo como resultado o adiamento de incorporação.
Contra a sua vontade, não lhe foi possível continuar os estudos que lhe permitiriam obter um curso superior, vindo para Peniche, na companhia de sua mãe, dar continuidade à actividade de seu pai como armador. A sua frota possuía as chamadas "armações à valenciana" cuja acção se prolongou até 1941. Mandou construir novas embarcações (traineiras) e torna-se um dos maiores armadores de pescarias da frota de Peniche, actividade que manteve de 1928 a 1965.
Aos 26 anos de idade, a 31 de Março de 1934, na Vila da Lourinhã, é celebrado o seu casamento civil com D. Ivone Guizado Pereira Coutinho, natural de Peniche, filha de António Pereira Coutinho e de D. Aida d'Assumpção Guizado Pereira Coutinho, e no mesmo dia, na capela de Ribeira dos Palheiros, freguesia de S. Lourenço dos Francos, nas imediação da Quinta do Rol (propriedade de seu sogro), realizou-se o matrimónio católico.
Os primeiros dois anos da década de 40 constituíram uma página negra na sua vida. Na noite de 20 para 21 de Setembro de 1940, junto à costa entre S. Jacinto e Ericeira, deu-se o naufrágio de um dos seus barcos de pesca registado na praça de Peniche com o nome de “Umbelina Maria". Aí perderam a vida 13 pescadores e um manto de luto pairou sobre Peniche, onde ainda hoje é lembrada aquela tragédia. E a 24 de Fevereiro de 1941 morre em Lisboa, onde residia, sua mãe, D. Umbelina Cândida Ferreira Correia Peixoto, que ele muito amava.
Mas a vida não parou para o Senhor Luís Correia, detentor de considerável poder económico. Em 4 de Outubro de 1946, com outros 20 sócios, constitui em Peniche uma sociedade tendo como objecto o comércio e indústria de fabrico de gelo, congelação e conservação, pelo frio, de peixe e outros produtos alimentícios, empresa a que foi dada a denominação de "Sociedade Frigorífica de Peniche, Limitada".
Para a primeira gerência, com os mais amplos poderes, foram nomeados os sócios Joaquim Faria Júnior, Luís Correia Peixoto e João Nunes dos Santos.
Nova gerência se formou em Janeiro de 1947, conservando-se o Senhor Luís Correia à frente dos destinos daquela Sociedade, com enorme dedicação, até 1968.
Mesmo com o seu tempo bastante preenchido, aceitou a presidência da Direcção do Clube Recreativo Penichense em 1950, sendo no decurso do seu mandato que esta colectividade consolidou a propriedade do terreno onde há muitos anos foi implantado o edifício da sua sede, no Jardim Público de Peniche, adquirindo-o à Fazenda Pública.
Honrando a oferta de uma máquina fotográfica que lhe foi feita por sua mãe ao terminar o l.º ano do Liceu, tornou-se um profundo conhecedor da fotografia a que, como amador, se dedicava desde 1919. Foi, assim, um respeitado e muito premiado artista nesta matéria.
Concorreu a certames do género, nacionais e internacionais, obtendo algumas excelentes classificações, nomeadamente, entre outros:
Em 1951 - "VII Concurso Nacional de Fotografia Artística - Espanha - (II Ibérico) – 1.º prémio;
1953 - "VI Internationale Ausstellung" - Viena - Medalha de Bronze;
1953 - "IX Concurso Nacional de Espanha" (IV Ibérico) - Secção de "Paisagem" – 5.º prémio;
1954 - "Salon Internacional du Groupe des Dix" - Roubaix - França;
1955 - "XIII Salon Internacional Albert l.er" França;
1971 - "III Salão Internacional de Fotografia de Mar" - Lisboa;
1976 - "V Salão Internacional de Fotografia de Mar" - Póvoa do Varzim.
Em 1957 fez parte dos Corpos Directivos do Grupo Desportivo de Peniche presidindo à sua Direcção. Desde a sua fundação foi também colaborador da Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche.
Depois da morte de sua esposa, ocorrida a 25 de Setembro de 1987, quando já se encontrava com a avançada idade de 80 anos e só lhe restava como ligação directa de laços familiares a sobrinha de sua esposa, terá sentido necessidade de encontrar novas formas de combater a solidão que, compreensivelmente, se terá convertido em pesadelo.
Tinha deixado para trás o seu passatempo favorito: a “caça", em especial a batida às raposas, que tanta alegria lhe dava. Os amigos que o acompanhavam nessa actividade já tinham falecido ou, pela força das circunstâncias e das suas idades avançadas, haviam posto as armas de parte. Lembro aqui os seus companheiros – o médico Dr. António Augusto Pires de Carvalho e o farmacêutico Sr. António Pinto Curado - nas suas constantes caçadas nas épocas próprias.
A sua dinâmica vida de industrial e armador já tinha cessado há alguns anos, mas ainda tinha muito para nos dar.
Foi na sequência de um convite que lhe foi feito para proferir, em reunião do Rotary Clube de Peniche, uma palestra sobre a pesca da sardinha em Peniche, que decidiu, aos 84 anos de idade, publicar o seu primeiro livro: "Apontamentos para a história da pesca da sardinha e da construção naval em Peniche". Dois anos depois deixou-nos um manancial de imagens desta cidade publicando “Peniche - 100 anos através da fotografia”. Em 1996 (e quando o autor estava já à beira dos 90 anos de idade) editou: “Peniche - Pormenores que testemunham o passado". A seguir, em 1999, fomos brindados com o seu quarto livro: "Casos lembrados e gentes". Em 2002 publicou "Subsídios para a história da arte de anzol, redes de emalhar e covos" .
Finalmente em 2003, aos 96 anos de idade, o Senhor Luís Correia apostou em brindar-nos com um valioso testemunho de belíssimas ilustrações que o tempo teima em apagar da nossa memória. Trata-se do álbum: "Bilhetes Postais Ilustrados".
Com estas cinco publicações deixou-nos o Sr. Luís Correia Peixoto um vasto leque de imagens e conhecimentos que muito contribuem para o desenvolvimento cultural da nossa terra.
Foi de extraordinário valor a dedicada colaboração que dispensou à criação do Museu Municipal quando da sua instalação na Fortaleza de Peniche, colaboração imprescindível no que respeita à actividade piscatória e da construção naval nesta cidade. Refira-se que doou ao Museu muitas das mais diversas peças relacionadas com a vida marítima, de várias épocas, hoje ali expostas a regalar os olhos dos seus visitantes.
A Câmara Municipal de Peniche reconhecendo os seus méritos, por deliberação tomada em reunião de 30 de Novembro de 1993, agraciou-o com a Medalha de Mérito Municipal da Cultura, cunhada em prata.
A mesma Câmara, por deliberação de 21 de Fevereiro de 2000, atribuiu o seu nome a uma das ruas da nossa cidade.
Com muitas saudades dos seus amigos e admiradores, deixou-nos para sempre, com quase noventa e sete anos de vida, a 29/7/2004.
O seu corpo jaz depositado no jazigo por ele mandado construir na década de 60 no Cemitério Municipal de Peniche, acompanhado de sua esposa, seus sogros e seus pais (estes últimos trasladados de Lisboa a 16/11/1971).
Que descanse em paz!

sexta-feira, novembro 20, 2009

A AVENIDA DO MAR COM GRANDES ALTERAÇÕES A PARTIR DE 1950

Por: Fernando Engenheiro
É no princípio da década de 1930 que se fazem os primeiros estudos de urbanização de Peniche, abrangendo, como é natural, todas as zonas da muralha militar. Foram mandados elaborar pela vereação presidida pelo Engenheiro Armando Sampaio Sena, de que fazia parte Miguel Olavo Franco, com o pelouro das obras.
Em 1941 a vereação presidida pelo Tenente Luís Pedroso da Silva Campos resolve, por proposta do Vogal Ramiro de Matos Bilhau, mandar desenvolver os estudos esboçados 10 anos antes.
Em 1942 a vereação presidida pelo Doutor José Bonifácio da Silva confirma a resolução anterior e dá inicio a importantes obras de urbanização. À mesma vereação, de que faz parte Ramiro de Matos Bilhau - animador incansável de todos os trabalhos - se fica devendo o primeiro grande impulso para transformar Peniche numa urbe moderna.
Tiveram na época a colaboração do nosso conterrâneo Arquitecto Paulino Montez, que apresentou um plano de extensão, regularização e embelezamento da Vila, plano que muito veio contribuir para a boa arrumação a dar às futuras construções.
Entretanto o Decreto-Lei n.º 33 921, de 5/9/1944, veio impor aos Municípios a elaboração de plantas topográficas e de planos de urbanização nas localidades a ele sujeitas.
Dois anos decorridos, em reunião camarária de 12/9/1946, a Vereação dava plenos poderes ao Presidente da Câmara, então o Comandante José da Mota Coutinho Garrido, para em nome do Município celebrar com o Arquitecto Paulino António Pereira Montez um contrato para elaboração do Plano Geral de Urbanização da Vila de Peniche.
Estavam em preparação todos os trabalhos de gabinete quando, a 4 de Agosto de 1949, António da Conceição Bento assumiu o cargo de Presidente da Câmara Municipal de Peniche.
O novo Presidente, que na autarquia havia desempenhado funções de Vereador, tinha já ideia das obras a realizar na actual "Avenida do Mar" - trabalhos designados por "Alargamento da rua Almirante Reis e muro de parapeito embelezado em substituição da actual cortina".
Assim, não tardou a entregar os trabalhos de levantamento, que incluíam os desenhos do projecto para aquela, obra ao Agente Técnico de Engenharia António da Silva Santos e ao topógrafo Manuel de Paiva. O empenho posto por estes técnicos na realização dos trabalhos que lhes foram confiados foi objecto de um voto de agradecimento da Câmara em reunião de 7/12/1949.
Depois de concluído o processo para a solicitação a fazer ao Ministério das Obras Públicas relativamente às obras de alargamento da Rua Almirante Reis, o que constituiria a satisfação de uma velha e legítima aspiração desta então Vila de Peniche e que era, sem dúvida, um maravilhoso complemento das grandiosas obras de "Melhoramento do Porto de Peniche", na época em curso, foi fácil o seu deferimento.
Estava à frente daquele Ministério o Engenheiro José Frederico do Casal Ribeiro Ulrich, homem de Estado que conhecia pessoalmente a nossa terra e que sempre se mostrou amigo dela. Tomando em consideração que era uma artéria de capital importância para Peniche, quer sob o ponto de vista económico quer turístico, tendo conhecimento das deploráveis condições que apresentava para o trânsito e para a estética locais, não surpreende que, no alto cargo que desempenhava, desse parecer favorável para que fosse a expensas do Estado a despesa da obra a efectuar.
A Câmara Municipal, ao tomar conhecimento deste facto, não desejando deixar o trabalho a executar por mãos alheias, pretendeu executá-lo por administração directa.
Havia conhecimento de que a Companhia Portuguesa de Trabalhos Portuários, em actividade na época e executando a construção da 2.ª fase do Porto de Abrigo, já tinha apresentado ao Estado orçamento para a sua execução. A Edilidade de então, tendo à frente dos destinos do Município António da Conceição Bento, mais uma vez, com os seus conhecimentos pessoais e a amizade já bastante sólida com o Senhor Ministro, propunha-se aceitar levar a efeito aquele trabalho, sob a orientação e fiscalização da Direcção-Geral dos Serviços Hidráulicos, pela importância orçamentada de 723 contos. O Município tomava a responsabilidade de suportar o prejuízo que, na pior das hipóteses, viesse a verificar-se entre a importância orçamentada e o custo da obra.
O início imediato dos trabalhos era da maior vantagem sob o ponto de vista político-social, pois vinha dar trabalho a algumas dezenas de operários e trabalhadores da construção civil que lutavam com a falta de trabalho, resultante da má situação económica que se estava atravessar.
Mais uma vez o Ministro das Obras Públicas dá o seu parecer favorável mandando executar a obra por intermédio da Direcção-Geral dos Serviços Hidráulicos, ficando a Câmara Municipal de Peniche como tarefeira.
A autarquia, por deliberação camarária de 29/5/1950, deliberou conceder plenos poderes ao Senhor Presidente da Câmara, António da Conceição Bento, para assinar, dar quitação e outorgar em contratos com aquela Direcção-Geral ou praticar os mesmos actos junto de quaisquer outras repartições sobre tudo o que dissesse respeito à execução da obra em referência.
Durante o decurso da obra, um grupo de elementos ligados à indústria da pesca neste porto foram junto da Câmara Municipal sugerir a vantagem de se construir uma nova rampa no antigo cais. Tratava-se de uma rampa de acesso à doca em posição simétrica à já existente no patamar sobre a doca, ao lado daquela rua. A Câmara Municipal, achando aceitável aquela sugestão, comprometeu-se a suportar os encargos que resultassem de tal alteração.
Na mesma época foi cortada a muralha que completava o Baluarte da Misericordia e que fazia alinhamento com a rua 13 de Infantaria. Aproveitaram assim o ensejo para proceder à sua parcial demolição com a finalidade de ampliar o espaço do Largo do Município. Só era assim possível a estrada projectada junto ao restante da muralha do referido Baluarte, estrada que atravessava o fosso contíguo às comportas com ponte de elevação, ficando a entrada mais desafogada, como hoje se apresenta (embora a obra em questão não se tivesse concretizado totalmente).
A obra de construção do muro de suporte de todo o prolongamento da então rua Almirante Reis, para o seu alargamento, foi iniciada em Setembro de 1950 e realizou-se em tempo record pois terminou nos finais do ano seguinte. Não foram poupados os esforços de todos os trabalhadores, em actividade durante as 24 horas diárias, em trabalho por turnos, pois que só assim era possível o andamento dos trabalhos com o aproveitamento das marés baixas.
Concluídas as obras no seu todo, por proposta do Senhor Presidente, António da Conceição Bento, em reunião camarária de 23/11/1959 foi deliberado, por unanimidade, que aquela artéria, desde o Largo do Município até ao Largo da Ribeira, anteriormente denominada Rua Almirante Reis, passasse a chamar-se Avenida Engenheiro José Frederico Ulrich. Peniche, como era de toda a justiça, manifestava o seu reconhecimento pelos altos benefícios que o concelho recebeu daquela ilustre personalidade quando Ministro das Obras Publicas, já que a ela se ficou a dever, em grande parte, o importante melhoramento que foi o alargamento da Rua Almirante Reis, a chamada "reparação do caminho municipal de Peniche de Cima aos Remédios" - cuja 1.ª fase consistiu na beneficiação de todas as ruas da cidade entre o portão de Peniche de Cima e a Ribeira, as estradas de Casais Brancos aos Fétais e de Geraldes a Casais do Júlio, a conclusão das obras da Pousada da Berlenga e outros melhoramentos não menos consideráveis.
Procedeu-se à inauguração daquela Avenida a 21 de Dezembro de 1959 na presença dos então Ministro das Obras Públicas, Engenheiro Arantes de Oliveira, e Subsecretario de Estado da Educação Nacional, Doutor Baltazar Rebelo de Sousa. Na peça ornamental com que termina no Largo da Ribeira a guarda da Avenida sobre a doca foi colocada uma lápide consagrando o novo topónimo.
A má memória, a insensibilidade ou ingratidão dos homens mais uma vez se revelou aqui ao tender a deixar cair no esquecimento o alto interesse que manifestou pela nossa terra aquela figura da Nação e o justo reconhecimento que lhe foi oportunamente manifestado. Sem respeito algum, entendeu-se, por deliberação camarária de 22/1/1975, colocar ali novas placas toponímicas sobre as anteriores dando-lhe o nome de "Avenida do Mar", sem sequer transferir o seu nome para outra artéria a perpetuar sua memória.
A partir de 1990, com a transferência da descarga do peixe para a nova zona portuária, tornou-se toda aquela área zona de lazer, quase inteiramente preenchida por restaurantes e bares.

quarta-feira, novembro 18, 2009

A AVENIDA DO MAR, O LARGO DA ANTIGA RIBEIRA E OS ARRUAMENTOS ADJACENTES

Por: Fernando Engenheiro
Foi a partir do século XVI, com D. João III que Peniche se tornou terra fortificada. Foi no século seguinte, com D. João IV, que foi feita "praça de guerra de primeira classe", protegida por uma grossa muralha e guarnecida com diversos fortins.
O seu crescimento predial é desde aí condicionado, em grande parte sujeito às determinações dos planos militares, com um traçado obrigatório em certas zonas, embora noutras o crescimento fosse espontâneo.
Reportando-me à zona em questão é de referir que as construções particulares eram, na época, em grande parte, de fraca resistência.
Embora Peniche seja fértil em pedra nem sempre os construtores de casas usavam este material. Havia muita gente para quem bastavam casas modestas, de baixo custo, e, nestes casos, para baratear a obra, fabricavam‑nas com barro, moldando pequenos blocos que cozidos em fornos se transformavam em tijolos ou, mais simplesmente, secos ao sol se convertiam num material mais rústico - o adobe. Qualquer destas práticas apresentava uma importante vantagem: o seu manuseio era fácil, o que tornava rápido o trabalho de construir.
Porque havia então grande necessidade de aproveitar todos os espaços dispensados pelos serviços militares, registou-se um grande desfasamento nas orientação urbanística e nas próprias edificações, como se evidencia num documento já de meados do século dezoito que passo a referir:
Na reunião camarária de 12/8/1752 fervilharam as queixas contra "as cazas desermanadas e de travees que dão feo aspecto na Atouguia e em Peniche" (suponho que não falho lendo "desirmanadas", o que quer dizer separadas e desiguais e de "través", ou seja oblíquas, atravessadas) e contra "as veellas estreitas em Peniche que defficultam a passagem como as da calheta e da lingoeta d'area." (L.º de actas fls. 13 - 1752).
Ali se diz que "algumas cazas são altas em demazia occultando a vista do teso da Vela" (o local de vigia, o ponto mais alto que deve corresponder ao que ainda hoje se chama em Peniche o "Alto da Vela ") pelo que um responsável sugeria "que os que fizerem novas moradas de cazas na vizinhança da Ribeira as fassam em direitura ao Rio, e baixas, e de telhado ao viés" e ainda "que as não possam levantar mais à boca da dita Ribeira, que não he convinhavel às cargas do pescado" (L.º de actas, fls. 13 v., de 1752). A frase é sibilina mas parece entremostrar a intenção de desobstruir a área circum-portuária e deixar bastante desafogo para a vigilância da costa).
Noutra sessão, efectuada três meses depois, volta a repisar-se que "as cazas na Ribeira sejam em correnteza, bem como lojas e almazens de taboado, ruas de muito alinhamento assim como as da cidade".
Isto leva-nos a crer que os vereadores da vila, na época, tinham os olhos postos, audaciosamente, no que se fazia ou havia feito na capital.
Também se nos afigura, pelo que chegou aos nossos dias, que nem todos os alvitres fora acatados, talvez por nem todos terem sido convertidos em posturas obrigatórias...
Isto é fácil de concluir pela desordem das edificações e pela ausência de traçado geométrico que se nota nalguns arruamentos mais antigos (veja‑se o que acontece, por exemplo, com a Travessa da Lingueta com outras ruelas próximas onde ainda há prédios vetustos).
Foi assim o começo do urbanismo de toda aquela área, desde o princípio da actual Avenida do Mar até ao fim das construções no Largo da Ribeira. Implantadas num cerro de rochas em todo o seu percurso, não foi fácil a criação das suas edificações ao longo dos séculos, naquela que já nos princípios do século dezassete era conhecida por "Rua da Frontaria".
Já com toda aquela zona preenchida com construções, edificadas com os alinhamentos possíveis, é a vez agora da Edilidade Municipal pôr mãos à obra no que respeita a sua pavimentação de modo a que circulação se faça ali o melhor possível.
Começam por fazer desaparecer todo o rochedo que se encontra naquela rua, o qual provoca grave impedimento de todo o trânsito. em especial um banco de pedra na embocadura da travessa do Cais (que dá para a Igreja de S. Pedro) para assim se poder proceder a todo a calcetamento até ao Largo da Ribeira. (L.º de Contas de Despesa de 1776/1808 - fls. 33v. - ano de 1780).
Outros bancos de pedra se retiraram para se tornar plana toda a zona, o que na época alterou bastante a cota das soleiras das fachadas de alguns edifícios. Assim só foi possível manter os seus acessos com a construção de escadas em alvenaria no seu exterior ou criando pátios elevados com a mesma finalidade (hoje só uma coisa é visível de tudo o que ficou dessa alteração: os degraus de acesso à Travessa do Cais).
No mesmo ano (1780) o mestre pedreiro António Francisco, com dois companheiros, começa a obra da escada que desce da rua do Cais (na época assim conhecida) para o rio sobre o chamado Cais Velho. (Foi substituída, de acordo com projecto da antiga 3.ª Circunscrição Hidráulica, de 20 de Maio de 1889, por uma rampa de 6 metros de largura, com um patamar em cima de 6x6m, e com a inclinação de 15% em 32,20 m. de comprimento).
Ao longo dos anos outras obras se foram executando, como o calcetamento de um recanto no Largo da Ribeira, em Março de 1844, ao cimo do designado na época "Portinho do Padre Amaro" (hoje conhecido por Portinho do Meio), com destino a servir de praça de peixe, por outra não haver na Vila. Criaram-se canalizações em alvenaria nas lojas de preparação do peixe para estas fazerem os despejos por essa via direito ao mar e foi mandado abrir um poço de mergulho no Largo da Ribeira, com a devida autorização dada a 13/7/1908 pelo Chefe do Estado Maior da l.ª Divisão Militar, para dali extrair água para diversas utilizações.
Na mesma época foi feito o pavimento em lajes do restante que faltava
até à praia do Portinho de Revés (hoje desaparecida pelas obras de alteração no Porto de Pesca) para funcionarem na extremidade Sul, a céu aberto, os serviços de vendagem do peixe, em expositores desmontáveis em madeira. (Só foi possive1 a sua desactivação aquando da construção, pela Câmara Municipal de Peniche, do edifício da Lota no antigo Forte das Cabanas nos princípios da década de 40).
No início da década de 50 foi objecto de grande remodelação toda aquela área, desde o Largo do Município (inclusive), actua1 Avenida do Mar, Largo da Ribeira, Portinho de Revés e antiga rampa que dava acesso ao Campo da República.

APONTAMENTOS DIVERSOS.
A actual Avenida do Mar teve ao longo dos séculos as seguintes designações toponímicas:
Foi o seu primeiro nome "Rua da Frontaria", assim conhecida até ao século dezoito. Depois Rua do Cais, nome que foi substituído por "Rua Conselheiro António José Enes", por deliberação camarária de 29/1/1891. Com a Proclamação da Repúb1ica Portuguesa a 5/10/1910, o seu nome voltou a ser alterado, por de1iberaçlo camarária de 20/12/1910, para "Rua Almirante Reis".
Ao longo de 50 anos não mais teve qualquer a1teração até que em 23/11/1959, por deliberação camarária, foram arreadas as placas toponímicas e passou a ser designada pelo nome de "Avenida Engenheiro José Frederico U1rich" (o Ministro das Obras Públicas que naquela época apoiou o Município para a realização das obras que então modificaram todo o aspecto dos arruamentos da Vila, desde o Portão de Peniche de Cima até à Ribeira - obras que implicaram, com a construção de uma nova muralha, forte alargamento da via a que foi dado o seu nome).
Nova denominação lhe foi dada com as alterações toponímicas resultantes da nova situação do País depois de 25/4/1974. Passa a ser designada por "Avenida do Mar" por deliberação camarária de 22/1/1975.
Também outros recantos adjacentes à mesma artéria mudaram de nomes ao longo dos séculos como, por exemplo, o Portinho do Meio, que foi conhecido por "Portinho da Rua da Frontaria" (L.º de escrit. de 1690/1692, fls. 6v a 7v - 7/8/1690) - "Portinho dos Ericeiros" (L.º de Contas de Despesa de 1716/1808, fls. 25, ano de 1779), época em que também era conhecido por "Portinho do Padre Amaro".
O "Padre Amaro" era um sacerdote do hábito de São Pedro, de nome Amaro Francisco Delgado que foi proprietário de prédios situados em frente do Portinho.
Também a Doca foi conhecida por "Rio" ou "Cais", bem como a sua entrada por "Boca do Rio", "Ponta de Investida" e até por "Alves do Rio" (comerciante que tinha os seus armazéns no Forte das Cabanas, junto da entrada da doca).
Ultimamente o terreno a nascente adjacente à doca foi baptizado por "Pátio das Gaivotas".(Não houve deliberação camarária... Foram os grandes bandos de gaivotas que o elegeram para nele pousarem e ali se manterem...).

segunda-feira, novembro 16, 2009

O JARDIM PÚBLICO DE PENICHE TAMBÉM TEM A SUA HISTÓRIA

Por: Fernando Engenheiro
Quem percorrer a extensa cinta de muralhas que separa a península de Peniche do seu istmo arenoso apercebesse-se de que os baluartes que a integram (com rasgos criados na sua parte superior para colocação de artilharia e avançando sobre o fosso criado no exterior daquela cintura) se encontram ligados por espessos e elevados muros denominados “cortinas”. É do espaço adjacente à “cortina” que une o Baluarte da Misericórdia (também denominado quando da sua construção por Baluarte de S. João da Marinha) e o Baluarte da Ponte (que também foi conhecido por Baluarte de S. Pedro) – o nosso Jardim mais antigo - que vou falar hoje.
Foi precisamente entre aqueles dois baluartes que Nicolau de Langres, autor do projecto de construção das nossas muralhas, previu a criação da entrada principal desta então praça militar.
Assim, quando da construção daquele muro, foi deixado ali espaço para o portão da entrada, ficando preparada a soleira onde assentariam os umbrais para a colocação das meias portas. Do exterior das muralhas são bem visíveis os vestígios desta soleira.
A criação desta entrada tratava-se de uma obra de grande envergadura para a época, pois que o seu acesso implicava a travessia do fosso na sua parte mais larga com uma extensa ponte com quinze arcos. A execução do plano aprovado foi, por isso, aguardando uma oportunidade que nunca chegou.
Entretanto resolveram, a titulo provisório, alterar o projecto de modo a que o acesso não fosse tão dispendioso. Assim a entrada foi aberta mais a norte (já no Baluarte da Ponte) onde hoje é conhecida por "Ponte Velha".
Resolvida esta questão, embora com uma solução, em princípio, transitória, todo aquele espaço que estava destinado para a entrada da praça militar ficou ao abandono, sempre à espera de melhores dias.
Era designado por "Morraçal”, por se tratar de uma zona lamacenta, onde as águas das chuvas permaneciam sem qualquer saída e que servia de vazadouro público e para descanso de animais de carga.
As Câmaras de então olhavam para aquele precioso espaço com vontade de o explorar em proveito dos munícipes, mas a Lei não o permitia por se tratar de zona interdita, afecta à defesa militar.
Havia na época grande interesse em criar na povoação um passeio público, onde houvesse uma zona de lazer para os seus habitantes. A área mais cobiçada para o efeito era sem duvida o "Morraçal de Peniche de Baixo".
Só foi possível a concretização deste desejo pelo bom entendimento do Barão do Casal, José de Barros Abreu, que, assumindo o lugar de Governador desta Praça a 21/10/1833, deu todas as facilidades para que se levasse avante o sonho dos seus habitantes.
Ainda naquele ano comparticipou nas despesas, bem como muitos moradores desta Vila, com donativos e materiais necessários para a obra de construção dos muros de vedação. Logo que foi possível mandou-se semear em todo ele plantas adequadas ao recreio do público e salubridade dos ares. Em 1837 procedeu-se a uma grande sementeira de pinheiros da Suécia.
Com a entrada de um novo governador a 7/12/1838, Coronel de Engenharia Joaquim Pedro Pinto Sousa, o assunto mudou de figura pois havia que legalizar o terreno perante o Ministério da Guerra.
Em sessão camarária de 26/4/1839, confirmando a sua petição, a Câmara Municipal tomou conhecimento de uma Portaria expedida pelo Ministério da Guerra, 2ª. Repartição, do dia 8 do mesmo mês, com o seguinte teor:
"Sua Majestade mandou comunicar ao Governador desta Praça em resposta ao dito oficio seu de 26 de Março que há por bem permitir à Câmara Municipal deste Concelho a plantação no terreno do Morraçal com o fim de estabelecer um Passeio Público, devendo porém lavrar termo pelo qual se obrigue a restituir aquele terreno quando se concluir a fortificação naquele ponto".
Ao longo de anos este recinto manteve-se encerrado ao anoitecer, com a presença dum soldado do Batalhão de Veteranos da Praça, que a Câmara gratificava com doze mil reis anuais.
Continuaram ali as plantações: em 1840 vieram de Lisboa árvores de amoreiras (livro de despesa da C.M.P., 1839/1841, fls. 24).
Mais tarde, em sessão camarária de 12/1/1860, foi deliberado criar uma Comissão Directória e Conservadora do Passeio Publico desta Vila, nomeando para Presidente, Vogal e Tesoureiro, respectivamente, Joaquim Antero da Costa, Joaquim José Tavares e Bento da Costa Perdigão.
Depois de longos anos daquele espaço como estabelecimento de jardim público havia que lhe dar uma nova aparência, com nova disposição dos canteiros e plantação de novas arvores. Porém só era possível a sua remodelação com a anulação de diversos morros de pedra que não tornavam possível colocar tudo no mesmo plano. Depois de petição feita pela Autarquia foi, a 25/8/1884, autorizada pelo Ministro da Guerra a exploração da pedra naquele recinto.
O mesmo não aconteceu na mesma época, a 21/8/1884, com a construção do coreto, para a qual a Edilidade concedeu autorização ao então Secretário da Câmara José Acúrcio Nunes Rego de Carvalho, sem que as entidades que superintendiam naquele espaço se tivessem pronunciado.
Havia grande interesse em dar àquele recinto um ambiente cada vez mais agradável e, assim, a pedido da Autarquia, deslocou-se a Peniche um botânico francês ao serviço do Museu Nacional de Lisboa - Jardim Botânico, com o fim de estudar as plantas resistentes ao nosso clima.
Depois dos seus estudos, foi informado o Município, a 26/4/1883, de grande número de plantas que aqui resistiriam, o que foi uma informação de grande interesse para o fim em vista.
No dealbar do século vinte, no local onde estava planeada a construção de um edifício para escola de rendas, foi implantado um imóvel destinado a sede do Clube Recreativo Penichense. Para isso foi necessário derrubar uma vasta zona de frondosas árvores que cobriam toda aquela área. A Câmara Municipal, não querendo perder esta receita, resolveu em sessão ordinária de 3/8/1900 mandar fazer editais para a venda das árvores cortadas fixando a licitação para o dia 26 do mesmo mês, pelas 11 horas da manhã.
Poucos anos depois, a 20/2/1905, foi resolvido mandar arrancar as pilastras do muro de vedação e vender todo o gradeamento em madeira ali existente. Foi arrematante José Pereira da Costa, pela quantia de 3.600 réis.
Havia que continuar com o embelezamento do local e com a plantação de novas árvores, assunto tratado em sessão ordinária da C.M.P. de 28/1/1907. Houve na altura um benemérito, Senhor Francisco Nunes Branco, proprietário residente nesta Vila, que ofereceu umas palmeiras e mais arbustos com o fim de aformosear o passeio público (trata-se das palmeiras ainda ali existentes em frente da Praça Jacob Rodrigues Pereira).
A Edilidade, com toda a justiça, fez lavrar o agradecimento na acta da sua sessão de 18/11/1907.
Pelo seu grande movimento, justificava-se ter exclusivamente ao serviço naquele espaço um guarda-jardineiro, bem como o aumento de número de bancos e a melhoria da iluminação, o que teve a sua concretização em 1923.
Também para apoio dos seus frequentadores, em 18/3/1929, foi deliberado pela Câmara Municipal construir ali retretes públicas para homens e senhoras. Foi autor do projecto o então jovem penichense Arquitecto Paulino Montez.
A Comissão de Iniciativa de Peniche, lutando pelo desenvolvimento turístico da zona, apercebendo-se da falta de um campo de ténis nesta Vila, sobretudo para o entretenimento dos visitantes na época balnear, solicitou à Câmara Municipal a cedência para o efeito de terreno no jardim público. Atendendo a que a concessão vinha trazer benefícios para o turismo da nossa terra, foi o pedido deferido em sessão camarária de 10/8/1936.
Também um lago era um atractivo para os visitantes e, assim, em 27/5/1937, foi aprovada a sua construção. A obra foi entregue a um particular, o empreiteiro José Henriques, pela quantia de trezentos e setenta escudos.
Em 13/7/1939 foi autorizada pelo Poder Autárquico a exploração de uma esplanada no Jardim Público, por conta do Café Aviz, que lhe ficava em frente, tornando-se mais aprazível o local especialmente na época balnear.
Mais tarde, em 1948, foi o referido espaço explorado por Alberto Pereira, Américo Sales, Alberto Monteiro de Melo e Floriano Matoso, conforme contrato com o Município celebrado a 30/7/1948, com direito a exibirem actos de variedades artísticas. Não foi além de três épocas, pois que aquele espaço foi preenchido em 1951 com um Parque Infantil, com vigilante.
Além de todo este movimento, na década de 40 ali se realizaram “verbenas”, também designadas por “Feiras de Verão”, com diversões diversas, em prol do Grupo Desportivo de Peniche e do Hospital da Misericórdia.
Só a partir de 1971 é que aquele espaço (a parte norte do Jardim) estabilizou com a construção de um edifício para exploração de bar-esplanada, tendo adjacente as dependências de um novo Posto de Turismo. O projecto foi elaborado pelo Arquitecto Manuel Ferrão de Oliveira, por deliberação de 16/6/1971. Em 26/7/1972, conforme escritura lavrada no Livro de Notas n.º 23 do Notariado Privativo do Município, foi adjudicada a concessão da exploração do bar-esplanada, por 10 anos, a José Maria dos Santos, funcionário de organismo de coordenação económica, e Rodrigo da Cunha Velho, comerciante, residentes em Peniche.
Extinto o bar, presentemente neste espaço funciona uma Escola de Rendas de Bilros, administrada pela Câmara Municipal, mantendo-se o Posto de Turismo criado em 1972.
APONTAMENTOS DIVERSOS:
Em 1953, durante a Presidência de António da Conceição Bento, para rectificação do traçado das ruas que ladeiam o Jardim, foi derrubado todo o muro de vedação edificado em 1929 na Presidência de António Maria de Oliveira, muro que possuía bancos em alvenaria na zona fronteira da Praça Jacob Rodrigues Pereira e duas amplas entradas com arcos coroados por telhas verdes de barro vidrado. O muro foi substituído por uma sebe de arbustos.

quarta-feira, novembro 11, 2009

O PORTO DE PESCA DE PENICHE E A SUA EVOLUÇÃO AO LONGO DOS TEMPOS Continuação

Por: Fernando Engenheiro
Na mesma altura, para reforçar o assunto. é formada uma comissão que, na sessão da Comissão de Iniciativa de Turismo de 11/5/1931, propunha que, por intermédio do Governador Civil do Distrito, se dirigisse ao Ministro das Finanças, acompanhado de membros oficiais de Peniche, com o fim de obter as aprovações que viabilizassem um fim feliz para a concretização dos desejos dos seus habitantes.
Não tardou que o assunto se tornasse realidade, embora o começo da obra só fosse possível a partir praticamente do ano de 1936.
Na altura, a 15 de Dezembro de 1935, veio a Peniche, acompanhado pelos Ministros do Interior e das Obras Públicas e Comunicações, o Senhor Presidente da República, António Óscar de Fragoso Carmona, que procedeu ao descerramento da lápide comemorativa do começo das obras do Porto de Peniche, que se concretizaram com a construção da primeira fase do "Molhe Oeste".
A construção deste molhe, com a extensão de 150 metros, não veio resolver todos os problemas pois a entrada do porto, com o temporal de sudoeste, tornava-se perigosíssima, em virtude de a cabeça do molhe ficar em plena zona de rebentação. E insuficiente também para o numero de embarcações, já para a época, que ficavam fora da área protegida dos brandais que lhes serviam de ancoradouro.
Poucos anos se passaram, pois que o "Plano Portuário” levou avante a 2.ª fase das obras de melhoramentos no Porto de Pesca de Peniche. Os trabalhos foram adjudicados por 41.345.542$00, pela pasta das Obras Públicas e Comunicações, a um engenheiro inglês, antigo director da Anglo-Dutch Engineering & Harbour, C.ª L.da, em 18/5/1945, como responsável técnico, ficando à frente dos seus destinos a Companhia Portuguesa de Trabalhos Portuários, que tinha como director Fernando Braga, bem como na parte técnica o Engenheiro Manuel Cardoso Matias Figueiredo Oliveira Santos.
Logo que lhes foi entregue o trabalho a executar, conforme o programa publicado em Setembro de 1944, trataram de se instalar na zona circundante do Porto da Areia Sul. Começaram por receber o equipamento necessário à efectivação da obra no prazo previsto com o acordo do Governo Inglês que autorizava a sua remessa para o nosso país.
Estava prevista a sua execução no prazo de cinco anos e meio de acordo com projecto que compreendia a construção de dois molhes, um a Oeste, com o prolongamento do já existente, com a extensão de 390 metros, e outro a Leste, com 610 metros, que nascia no meio da praia de banhos.
Houve o cuidado de construir um grupo de seis casas, na estrada principal da frente do cemitério, para alojamento dos seus trabalhadores, bem como um barracão dividido no seu interior, perto da Igreja de Sant’Ana, para o mesmo fim.
Também a Câmara Municipal, em sua reunião de 18/7/1946, resolveu atender ao solicitado no oficio número 2005, de 16 daquele mês, da Direcção-Geral dos Serviços Hidráulicos, da Repartição dos Serviços Marítimos (Portos). Tratava-se de expropriar na área do Porto de Areia do Sul os terrenos de que eram proprietários Quintino Augusto Baratizo, com uma superfície de mil e quinhentos metros quadrados, e Luis Cirilo da Costa e José Vasco Teodoro, com uma área de dois mil e novecentos metros quadrados, para serem utilizados pela Companhia adjudicatária das obras do Porto de Peniche. Era condição destas expropriações o reverterem a favor do Município todos os terrenos em causa logo que cessassem os trabalhos a cargo daquela firma.
Durante a execução da obra, a pedido de uma Comissão de Armadores de Pesca, foi construído o cais acostável do "Portinho de Revés", pois que sem a sua construção se tornava muito difícil a atracagem das suas embarcações.
Concluídas as obras dos molhes "2.ª fase" em 30/6/1956 ficou assim satisfeita uma justa aspiração que muito valorizou este centro piscatório. Os trabalhos importaram em 47.566.435$50 (alterando-se o seu custo inicialmente previsto por diversas alterações consideradas no decorrer da obra). Ficou assim o Porto de Peniche envolvido por dois grande molhes, tendo o do Leste 610 metros e o do Oeste 390, com uma entrada de cerca de 200 metros. A sua profundidade que anda à volta de 10 braças. Estão os extremos dos molhes assinalados por dois farolins de luz com relâmpagos de 1/10 de segundo, de 3 em 3 segundos. O Molhe Oeste protege as embarcações da fúria dos temporais, principalmente quando o tempo é do Sudoeste. O Molhe Leste completa a enseada e permite a entrada de embarcações que podem ser até de tonelagem importante.
Não tardou que as areias das dunas impelidas pelos ventos predominantes do Norte tendessem a assorear uma parte do ancoradouro. Houve o cuidado de efectuar dragagens assíduas e regulares para afastarem esse perigo. Mas as obras do Porto de Pesca não poderiam parar pois havia ainda muito que fazer.
A Câmara Municipal de Peniche em sua reunião de 22/2/1968, pelo seu Presidente, Vitor João Albino de Almeida Baltazar, manifesta o seu desejo de expor ao Ministro das Obras Públicas a necessidade da continuação das obras do Porto de Peniche e de fazer distribuir o documento a apresentar superiormente com elementos a fornecer pelo Capitão do Porto de Peniche, aos Senhores Deputados pelo Circulo, a fim de o assunto ser debatido na Assembleia Nacional.
Pouco tempo depois, em meados do ano de 1971, estavam os trabalhos da 3.ª fase das obras (que consistiam no prolongamento do Molhe Oeste) entregues à firma "Etermar" Empresa de Obras Terrestres e Marítimas, S.A.R.L. com sede em Setúbal. No decorrer da obra, a 13 de Junho de 1973, os trabalhos são visitados pelo então Ministro das Obras Públicas que, em visita de trabalho, aqui veio inteirar-se do andamento das obras de prolongamento do Molhe, analisando também os estudos que estavam a ser efectuados com vista à execução das obras de apetrechamento interior.
Também o Presidente da República Américo de Deus Rodrigues Tomás se deslocou a Peniche a 29 de Março de 1974 (última visita oficial que efectuou no exercício das suas funções) acompanhado pelo Ministro das Obras Públicas, Engenheiro Rui Sanches, com o fim de apreciar as referidas obras em vias de conclusão. Na mesma visita também foram ana1izados os planos das obras interiores do porto (futura zona de atracagem e descargas, lota, armazéns de preparação de peixe, etc. etc.).
Nada alterou para o bom desenvolvimento do futuro Porto de Pesca de Peniche. Teve o seu início em meados de 1977 e em princípios de 1981 estavam em preparação as obras de construção dos diversos edifícios destinados à lota, a armazéns de preparação de peixe, a serviços administrativos, a serviços de apoio social etc.
Concluídas as obras, a 4 de Janeiro de 1988, teve início o funcionamento das novas instalações do Porto de Pesca de Peniche, nomeadamente da Lota e dos Armazéns. Assim para trás o velho edifício da Lota, no Forte das Cabanas, que ali funcionava desde Julho de 1939, bem como o edifício do Amanhadouro de Peixe criado em Outubro de 1935. Dias depois, a 16 de Janeiro, procede-se à inauguração das referidas instalações portuárias com a presença do Primeiro Ministro, Professor Aníbal Cavaco Silva, que se fez acompanhar pelos Ministros das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, e do Planeamento e Administração do Território, respectivamente, Oliveira Martins e Valente de Oliveira, e pelos Secretários de Estado Isabel Mota e Bagão Felix, do Planeamento e Desenvolvimento Regional e do Emprego e Formação Profissional, bem como do Presidente da Câmara, João Augusto Tavares Barradas e de outras entidades.
Outras obras se têm feito neste recinto: A 30/4/1992, pelo Conselho de Ministros, foi autorizada a concessão da construção e exploração dos estaleiros navais, autorizando a Junta Autónoma dos Portos do Centro a adjudicar, mediante concurso público.
Em 29 de Março de 1992, com a presença do Ministro do Mar Comandante Azevedo Soares foram inauguradas as novas instalações da C.A.P.A. (Cooperativa dos Armadores da Pesca Artesanal. Também na mesma época se construíram ali armazéns para recolha de apetrechos marítimos que substituíram espaços cobertos que se designavam por “cabanas”.
A fábrica do gelo para dar apoio ao Porto de Pesca foi uma realidade na sequência de uma garantia dada por aquele membro do Governo aquando da sua visita na data acima referida.
Continuaram as obras de expansão do Porto a partir de 21 de Setembro do ano 2000, após a adjudicação daquela obra, na presença do Ministro do Equipamento Social, Doutor Jorge Coelho, que naquela data se deslocou. Trata-se de uma obra orçada em cerca de 2 milhões de contos que vai permitir aumentar a bacia portuária e criar uma serie de novas infra-estruturas de que o porto de Peniche ainda não dispunha, nomeadamente para a vertente comercial. Uma obra de engenharia de grande vulto, uma vez que, para se conseguir aumentar a área molhada do porto, foram dragados um milhão e meio de metros cúbicos de areia.
E ainda há que fazer para melhorar a operacionalidade do nosso Porto.

terça-feira, novembro 10, 2009

O PORTO DE PESCA DE PENICHE E A SUA EVOLUÇÃO AO LONGO DOS TEMPOS

Por: Fernando Engenheiro
Sempre que o homem, para seu beneficio próprio, pode alterar os bens que a natureza lhe proporciona molda-os à sua maneira, conforme as necessidades que sente.
E, porque a natureza dotou Peniche de excepcionais condições para o efeito, desde os tempos mais remotos aqui o homem criou um porto de pesca de grande actividade e até um importante centro de construções navais. Aqui se procedeu se procedeu a obras de construção de alguns cais acostáveis como, por exemplo, o "cais da banda de além junto à cruz” (citado no Livro de Vereações de 1629/1631, fls. 14 e 14v.), as obras no Portinho do Negrão - Obras de grande vulto na Doca ou Rio (L.º de Vereações 1731/1734, fls. 170v. a 172v.) - Grande reparação no Cais e Porto (Lº. de Vereações, fls. 107 a 110v., de 20/5/1746).
Hoje mal se sabe ao certo onde grande parte destas obras foram efectuadas.
O terramoto do fatídico dia 1 de Novembro de 1755 alterou bastante esta zona, transformando geograficamente uma grande parte do círculo abrangente do porto de abicagem e de abrigo.
Quando da erupção do mar que se verificou na ocasião do terramoto havia em Peniche mais de trinta e cinco embarcações de pescar e quatro iates, cujos donos negociavam comprando pescaria. Tratava-se de barcos de maior tonelagem que levavam peixe a vender a outras partes do Reino.
A erupção do mar deixou ficar somente duas embarcações de pescar capazes de irem ao mar. As outras embarcações de pescar que havia, umas se perderam inteiramente e outras ficaram naufragadas nas praias, incapazes de irem ao mar, sem grandes possibilidades de consertos. A dita erupção do mar foi causa da perda de muitos barcos, incluindo os quatro hiates que havia, bem como da ruína total dos portos dos embarques, por ficarem as praias lavadas e rasas.
Também na mesma catástrofe encontraram a morte, engolidos pelas águas, 50 habitantes desta então Vila de Peniche que, vendo o mar encapelado e aproximar-se da terra uma enorme onda, começaram a fugir pelas praias e foram arrastados pelo mar.
Pouco tempo depois de tudo passar, houve que contabilizar os prejuízos e proceder às necessárias reparações de modo a que os homem do mar voltassem à sua vida normal.
Pelo Rei D. José I foi concedido que fosse retirado do cofre desta então Vila de Peniche, dos sobejos das sisas e bens de raiz, oitocentos mil réis para conserto do cais e ponte, bem como para a abertura do chamado “Rio” (que hoje conhecemos como “Doca”) que, pelo grande assoreamento em que se encontrava, não permitia que entrasse ou saísse qualquer embarcação (L.º de Vereações de l759/l762, fls. 132 a 134).
O Portinho de Revez era uma pequena caldeira natural com entrada voltada a SE. que, apesar de ficar quase toda em seco na baixa-mar, prestava, contudo, grande serviço aos barcos de pesca que ali varavam e ficavam ao abrigo do mar e do vento pelas restingas que a contornavam pelo lado exterior. Tornava-se um pouco mais perigoso com os ventos do Sul que levavam ali grande ressaca.
Tinha esta enseada grande necessidade de obras.
Longos anos se passaram sem que ali fossem realizadas quaisquer obras de conservação ou efectuadas alterações com o aproveitamento das rochas que a circundavam e que lhe davam a forma de porto de abrigo.
No livro de Vereações de 1837/1843 consta que o vereador Joaquim Marcelo Machado chamou a atenção da Câmara Municipal para a utilidade que resultaria para a classe marítima da Vila de Peniche se se fizesse uma Estação no Portinho de Revez onde as embarcações pudessem estar em segurança. Para isso bastaria tapar convenientemente com muralha todas as aberturas por onde o mar entrava naquele Portinho, afora a que dá entrada às embarcações. Para se fazer aquela obra ele mesmo se oferecia a fazer diligência por alcançar a soma necessária para cobrir todas as despesas inerentes ao exposto. Nada se resolveu na altura, o que evitaria a perda de 12 embarcações de pesca aquando do grande temporal ocorrido em 1868.
Mesmo assim ainda o Ministério da Marinha solicitou, depois de novo temporal em 1870, remédio aquele mal, não constando que esta solicitação fosse atendida.
Este desejo de toda a classe ligada ao mar só foi alcançado anos depois, com obra a cargo da antiga 3ª. Circunscrição Hidráulica, por projecto de 20 de Maio de 1889, que constava da quebra e extracção de muitas pedras, que constituíam perigo para as embarcações, e com essas mesmas pedras arrancadas se formou um molhe de pedra seca, apoiado nas restingas naturais, para completar o abrigo do lado do mar da pequena bacia.
Ficou assim com o coroamento 1 metro superior ao preamar de águas vivas tendo interiormente uma pequena banqueta para o serviço da doca e sendo para o exterior em talude.
Custou esta obra 2500$000 réis, estando incluída no mesmo projecto a despesa com uma rampa no lugar da antiga escada que dava para a rua do Cais (actual Avenida do Mar) para servir o lugar onde os barcos estacionavam ao abrigo de um molhe que corre paralelo àquela rua.
Longos anos se passaram em que as despesas se limitavam ao levantamento de cascos de barcos naufragados, de tonelagens das mais diversas, que prejudicavam os ancoradouros bem como os canais de navegação.
Era, portanto, muito pouco o que até ali se tinha feito para uma localidade que, se não podia considerar-se como um importante porto de comércio, era importante para a industria da pesca e que interessava muito à navegação geral da costa, pelo abrigo que podia dar-lhe quando fosse acossada por temporais.
Por várias vezes foram feitos pedidos pelas chamadas forças vivas desta terra, pelas Comissões Administrativas, a governadores civis, a ministros e a outras entidades do Governo. Visitas não faltavam mas nada se concretizava, a despeito da boa vontade de todos que bem prometiam diligenciar para que em Peniche se construísse um Porto de Abrigo com a maior urgência possível, pelo grande movimento marítimo que possuía.
Já com a entrada do chamado "Estado Novo" novamente o Município de Peniche apresenta as suas reivindicações quanto à questão do Porto de Pesca, enviando-se ao Poder Central o pedido para que o Governo, pela pasta do Comércio, faça inscrever no próximo orçamento ordinário do Estado, que se seguia ao ano de 1931, a verba para tal fim já orçamentada em escudos 2.316.550$00.

sábado, novembro 07, 2009

APONTAMENTOS PARA A HISTÓRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PENICHE

Por: Fernado Engenheiro
Foi no reinado de D. João I, a 25 de Agosto de 1395, que se publicou a primeira Carta Régia visando o combate aos incêndios.
Determinava que, em caso de incêndio, todos os habitantes de Lisboa, homens e mulheres, tinham de acorrer em socorro, munidos de machados, cântaros, potes e outros instrumentos que facilitassem o combate ao fogo. É este documento considerado a primeira ordenação que estabelece regras empíricas para apagar incêndios.
Embora nele se determine a colaboração da população essa ordenação não é mais do que um apelo ao voluntariado e à solidariedade que deve estar presente nos momentos de tragédia.
Só mais tarde, porém, talvez no reinado do D. João V, foi introduzida uma prática de combates aos fogos, baseada em experiências realizadas em França com resultados satisfatórios.
Criada, então a Companhia de Incêndios, transformada mais tarde em Corpo de Bombeiros foi, no entanto, por iniciativa de Guilherme Cossoul (1828-1880), que se instituiu a primeira Associação de bombeiros que no voluntário tinha a sua razão de ser.
Foi assim que, de época para época, numa evolução permanente, com a força de vontade de alguns e o espírito de servir de muitos, que se foram criando os alicerces e consolidando as estruturas dessas heróicas Corporações de Voluntários. Constituem hoje o fulcro, o dinamismo e a força dessas altruísticas Associações de Bombeiros Voluntários, formadas por homens desinteressados e íntegros, que sabem dar-se na protecção e defesa do semelhante.
Em Peniche não se sabe ao certo a data em que se criou uma instituição visando a defesa dos haveres e vidas dos cidadãos, em caso de fogos. O documento mais antigo que me foi possível consultar data de 20 de Julho de 1873, quando a Câmara Municipal aprova a seguinte deliberação:
Um oficio do Governador da Praça, pedindo à Câmara lhe dispense, para guardar a Bombas de apagar incêndios, uma casa que esta Câmara possui na rua da Palha, por ser mais central e no interior da povoação. A Câmara, em vista das ponderações feitas pelo dito Governador, concedeu a casa pedida para o fim indicado".
Tratava-se de uma dependência na actual Rua 13 de Infantaria pertencente à antiga Casa da Fanga (celeiro municipal) vendida a Emídio Balbino em 1905,
Tudo leva a crer que o voluntariado não existia, mas que a imposição imperava.
Não se sabe quando deixou de exercer estas funções, assim como se desconhece também rigorosamente o seu começo.
Havia que tomar algumas previdências para que se criasse um corpo de bombeiros pois os incêndios eram frequentes. De salientar o deflagrado de 13 para 14 de Fevereiro de 1922, às 22 horas, no armazém de redes das Armações do Romina, construído em madeira e localizado no exterior da muralha onde está hoje colocada uma traineira adaptada a bar.
Num outro ocorrido, em 28/10/1926, na mercearia de José do Rosário, em Peniche de Cima, resultou perda total.
Em sessão camarária de 4/6/1929, presidida por António Maria de Oliveira, tendo como colaboradores os Vogais Joaquim Guilherme Faria Junior e Miguel Olavo Franco foi tomada a seguinte deliberação:
"O Sr. Presidente lamenta que não exista em Peniche uma corporação de bombeiros e reconhecendo também que a Câmara não possui rendimentos que lhe bastem para crear uma corporação de bombeiros municipais, propõe que a Comissão Administrativa desta Câmara tome a iniciativa da organização de tão útil quão benemérita instituição, de forma que ela seja um facto dentro de pouco tempo. Propõe mais que para esse fim a Comissão Administrativa nomeie uma Comissão Organizadora que ficará sob o seu patrocínio a quem serão entregues as verbas que Câmara for metendo nos seus ornamentos ajudando assim a criação deste corpo de bombeiros. Aprovado por unanimidade.”
Não tardou que naquele mesmo mês, no dia dezasseis, fosse criada oficialmente a Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche.
Foi a sua primeira sede instalada no edifício dos Paços do Concelho, no rés do chão, funcionando no andar superior o actual salão nobre. Foi a primeira direcção constituída por António Maria de Oliveira (Presidente) - Aires Henriques Bolas (Secretário) - José Júlio Cerdeira (Tesoureiro) - António Adelino Gomes da Silva e António Nunes Ribeiro (Vogais).
Havia necessidade de um comandante para a corporação. Pelo ofício camarário nº. 188, foi solicitada ao Ministro das Finanças autorização para que o 1º Cabo da Guarda Fiscal António Nunes Ribeiro, empossado como vogal da Direcção, possa aceitar o lugar de instrutor e comandante da corporação, em organização nesta Vila.
Entretanto ingressou como comandante António Adelino Gomes da Silva, que ficou a chefiar inicialmente os seguintes bombeiros:
Manuel António Malheiros - Inácio Luís Ceia - José Rosado do Rio – José Maria Cartaxo - Antonio Martins – Casimiro Costa - Antonio Diogo da Costa - Inácio Maria de Abreu – Mário Nobre Leitão - Joaquim Rodrigues Tormenta - José Inácio Bandeira – Jacinto Inácio de Sousa - Lino Filipe Franco – Raul Dias Loureiro – Reinaldo Gomes – Angelo Gaspar da Mata - Manuel dos Santos Correia - José de Carvalho e Silva - José Maria das Neves – Joaquim Miguel Sousinha Júnior Quintino Augusto de Lemos - José Maria de Abreu – Joaquim Leal Paulo - José Pedro Junior.
A Autarquia logo no começo da sua organização foi solidária em tudo aquilo que lhe foi possível e esteve ao alcance das suas possibilidades financeiras.
Também o Comando Militar da Praça de Peniche pôs à disposição as dependências da Cidadela, bem como os terraços para as instruções, formaturas e tudo aquilo que estivesse ao abrigo da sua competência militar.
Para poderem desempenhar cabalmente e com eficiência a sua elevada missão, havia que providenciar a aquisição de apetrechos, mas o dinheiro era escasso. No primeiro ano e outros que se seguiram, para angariar receitas realizam-se quermesses, verbenas, jogos de futebol, gincanas, bailes, cinema, apresentaram-se grupos dramáticos, organizam-se festas diversas, incluindo a da "Flor", e até vacadas.
Também todas as receitas em posse da Comissão Pró-Monumento a Jacob Rodrigues Pereira, por ter sido posta de parte a ideia da sua construção, reverteram a favor dos bombeiros.
Tiveram logo o cuidado de, no princípio de 1930, construírem a Casa-Escola, conhecida pelo "Esqueleto", destinada aos exercícios daquela corporação. Para isso tiveram o auxílio da Autarquia, autorizando a exploração de toda a pedra que necessitassem, no sítio da "Gravanha", que ficava perto do local de implantação daquele imóvel, bem como de todo o madeiramento necessário, a obter do pinhal municipal. O local escolhido era um terreno particular, pelo qual a sua proprietária, D. Raquel Monteiro Cabral, exigia o pagamento mensal de 100$00. Havia toda a conveniência na criação daquele imóvel. Com o incremento dado à criação do Corpo de Bombeiros, a formação era também um importante objectivo a prosseguir, verificando-se uma acentuada tendência para a construção das chamadas casas-escolas, onde era, e hoje ainda é, com exercícios práticos, ministrada a instrução a nível interno.
Em Abril do mesmo ano é feita a encomenda de um carro braçal de escadas por 6.130$00, não incluindo o despacho em caminho de ferro da cidade do Porto até a estação de S. Mamede (Oeste) na importância de 613$20. Este carro encontra-se hoje exposto na sala que serve de museu no novo edifício da Corporação.
Com a criação da Liga dos Bombeiros Portugueses, em 18 de Agosto de 1930, não tardou que, a 23 de Abril de 1932, fossem aprovados pelo Governador Civil deste Distrito, os Estatutos da Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche.
Foram apresentados, a 8 de Setembro do mesmo ano, pela comissão organizadora constituída por: José Júlio Cerdeira - José do Nascimento Ginja - António Nunes Ribeiro - António Adelino Gomes da Silva e Aires Henriques Bolas.
Em Dezembro de 1934, a Câmara Municipal de Peniche é, pela primeira vez, objecto de uma manifestação pública de agradecimento da A. B. V. de Peniche, pela grande colaboração dada nas festividades de Agosto e Setembro daquele ano. Foi-lhe entregue pela Direcção o documento de reconhecimento assinado por Francisco de Freitas Trindade - Aires Henriques Bolas - José Júlio Cerdeira - e pelo Comandante António Adelino Gomes da Silva.
Não sendo possível o desempenho das suas funções sem o mínimo de condições, continuou a luta para a aquisição de mais material. Em 1935 já possuíam 3 carros de tracção braçal, que se distinguiam por "bomba braçal com deposito para água" (caldeira) – “carro escada” e “material diverso”. Em 1935 entram em negociações com a Firma Guérin, L.da, de Lisboa, para a compra de uma camioneta da marca "Fargo", com o fim de aproveitar o chassis adaptando-o a pronto socorro. Por deliberação camarária de 25/2/1935 foram concedidos plenos poderes ao Vice-Presidente da Câmara, António da Conceição Bento, que também desempenhava as funções de Tesoureiro daquela Corporação, para representar a Câmara junto da referida firma e da Alfândega de Lisboa para a aquisição do veículo. Ficou a despesa por 20.500$00, sendo pagos pela Autarquia 15.500$00 e ficando o restante a cargo da Corporação.
No mesmo ano, também a Câmara se responsabilizou pelo pagamento de uma moto bomba, tipo Liliput Magyrus, fornecida pela Firma H. Vaultier, pela importância de 22.500$00, sendo o maquinismo para lançar a água na extinção de incêndios por 15.000$00 e o restante em utensílios para adaptar na referida máquina. Foi na época uma aquisição de grande utilidade.
Ainda hoje são bombas aspirantes-prementes, accionadas sempre mecanicamente, que elevam a água de poços ou de tanques portáteis, alimentados pelas bocas de incêndios dos prédios ou dos passeios das ruas, em ligação com a rede de distribuição de água. Têm estas bombas anexos compressores de ar, que o motor dos carros acciona, os quais comprimem a água até à pressão suficiente para que, pelas mangueiras ligadas à bomba, possa a água jorrar à altura precisa.
Todas estas aquisições tinham o problema da sua recolha resolvido pois que aquela Corporação, a partir de Setembro de 1932, fez a sua transferência para o Largo D. Pedro V.
Tratava-se de um armazém pertencente a um edifício que o seu proprietário, Sr. António Andrade, industrial em Peniche, tinha alugado para sede da "Cooperativa Auxiliadora Penichense, Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada”, constituída por escritura em 2 de Setembro de 1919, cujos destinos eram dirigidos pelo próprio proprietário do imóvel e por Miguel Olavo Franco, Mário José Gomes e José do Rosário Leitão.
Com consentimento do senhorio, foi aquele espaço subalugado à Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche, cabendo a responsabilidade do aluguer àquela Cooperativa, por 90$00 mensais.
Só mais tarde, em Setembro de 1946, já sendo proprietário o Dr. Jaime Silva Sardinha Mota, residente em Baleizão (genro do Sr. António Andrade), foi feito o contrato de arrendamento, por 120$00 mensais, a favor daquela Corporação. Com a boa vontade do inquilino foram dispensadas, a partir de 5 de Abril de 1937, as dependências da parte de trás, que dava para a rua Tenente Valadim, ficando o quartel mais espaçoso. Era naquele espaço que a Cooperativa depositava a lenha para distribuir em épocas de crises pelos mais necessitados.
Em 1937 pairava já a ideia de um novo quartel, tendo sido o Arquitecto Paulino Montez convidado para a elaboração do projecto, mas tudo ficou na gaveta.
A luta por fazerem mais e melhor era constante e a acção dos bombeiros não se ficava só pelos incêndios. As grandes tarefas de socorro que se apresentavam no dia a dia, cada uma com o seu problema específico, fez sentir àqueles soldados da paz a necessidade de melhor se apetrecharem, confrontados muitas vezes com situações de perigo no combate a incêndios, ficando eles próprios sujeitos a traumatismos, queimaduras, asfixia e, em alguns casos, afogamentos. Assim, cedo se aperceberam das suas carências no campo da saúde.
Em 1940, quando o transporte de feridos e doentes era encarado como uma prioridade pela Associação, a Junta de Província da Estremadura cedeu-lhe, a título gratuito, um automóvel, com o fim de ser adaptado a auto-maca.
No que respeita à representação dos Bombeiros, logo após a aprovação dos estatutos, havia que pensar num “emblema” que distinguisse aquela Corporação. Com as sugestões de Afonso Dornellas, da Associação dos Arqueólogos Portugueses, expressas, com exemplar propriedade no brasão adaptado pela Liga dos Bombeiros Portugueses, foi criado para esta Corporação o seguinte distintivo:
"Brasão da então Vila de Peniche, sobreposto a um trofeu, constituído por dois machados cruzados em aspa, e o conjunto suportado
por uma fénix, de asas soltadas. Sotoposto ao escudo, um listel com a legenda: "VIDA POR VIDA". Bandeira com o fundo esquartelado: o primeiro e o quarto a vermelho; o segundo e o terceiro a preto. Também para vincular a sua representação em cerimónias diversas, havia que mandar fazer um estandarte. Foi convidada a Ex.ma Sr.ª D. Isabel Ribeiro Artur a constituir uma comissão de Senhoras para colaborarem na obtenção de fundos para aquele efeito. Foi na devida altura encarregada da elaboração do trabalho a Ex.ma Sr.ª D. Beatriz de Sousa Tavares, natural de Peniche e residente em Lisboa, pessoa cujos méritos em trabalhos daquela natureza eram já sobejamente reconhecidos no nosso meio, autora que já era do estandarte municipal.
Em Novembro de 1940 é recebida com grande júbilo a notícia de que a Autarquia, da Presidência de Luís Pedroso da Silva Campos, resolvera mandar instalar um telefone naquela Associação, sem encargos para a colectividade.
Também em Maio de 1944 os consórcios Sr. Joaquim Guilherme Faria Júnior e Luís Correia Peixoto ofereceram para ser montada no telhado da sede uma "sirene”. Ficou assim dispensado o auxílio do sino grande das torres das Igrejas de S. Pedro e de Nª. Sª. da Ajuda, de que permanentemente pendiam cordas para o exterior, com a finalidade de serem usados para alarmes quando ocorriam situações carentes da intervenção dos bombeiros.
Depois de 30 anos de actividade, em que estiveram no Comando dos Bombeiros António Adelino Gomes da Silva, António Alves, Joaquim de Paiva, Alberto Monteiro de Proença e Manuel António Malheiros, entrou ao serviço da Corporação como seu Comandante, em Novembro de 1958, Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho, homem dinâmico, com os seus 30 anos de idade, cheio de boa vontade de servir e de acertar.
A Corporação sentiu desde logo o seu entusiasmo e a humanitária colectividade viveu um salutar remoçamento, promessa dum regresso aos tempos em que os Voluntários de Peniche lograram um crédito que os guindou a invejável altura, renovação que saltava aos olhos dos que de perto acompanhavam a vida da instituição. O interesse de então não somente se manteve mas foi avolumado, mercê de um querer forte, secundado por toda a Corporação.
A 23/7/1961, na presença do Ministro das Obras Públicas, Engenheiro Arantes e Oliveira, bem como de um representante do Ministro do Interior (actual Ministério da Administração Interna) e delegações de 10 corporações deste Distrito, fossem benzidas, em frente da Igreja de S. Pedro, 3 novas viaturas: um auto-tanque pronto socorro, uma ambulância e um “jeep”. Tiveram como madrinhas, respectivamente, as Sr.as D. Mariette Monteiro Dias Bento, menina Dulce Freire Vidal de Carvalho e D. Maria da Glória Salvador Henriques.
Também no mesmo dia foi inaugurada a Casa Escola no logradouro do futuro quartel, nas imediações da rua do Matinho. Foi dado àquela construção o nome de António da Conceição Bento, Presidente da Câmara Municipal na época.
Na década de 60, o Instituto de Socorros a Náufragos fez uma consulta à Corporação dos Bombeiros para saber se estava interessada e capacitada para colaborar com o Instituto na área do salvamento marítimo. Como já era do conhecimento geral, sempre que havia problemas de naufrágios, os Bombeiros Voluntários estavam de mãos dadas com aquela Entidade. Não faltavam boas informações. Desde Março de 1933 o Capitão do Porto de Peniche pôs à disposição dos Bombeiros o carro porta cabos daquela organização marítima.
Por tudo isto, a 17/5/1966, na Praça Jacob Rodrigues Pereira, foi entregue à Corporação, pelo Comandante do Porto de Peniche, então o Capitão Tenente Muñoz, na qualidade de Inspector do I. S. N., depois de benzida pelo Padre António da Silva d'Almeida, natural de Salreu, na altura ao serviço da Colónia Infantil de N.ª Sr.ª dos Remédios, a viatura Land Rower "Porta Cabos", material da maior utilidade para o salvamento de sinistrados no mar, pelo aumento das possibilidades de socorrer a quantos a tragédia bate à porta.
Por deliberação camarária de 19/6/1962, foi atribuído aos "Soldados da Paz" que formam a Corporação dos Bombeiros Voluntários de Peniche, pelas acções desenvolvidas a bem de Peniche e Concelho, a "Medalha em Ouro de recompensa da Vila de Peniche".
Impunha-se a construção de um novo quartel. Já não era possível, com um corpo de bombeiros em plena forma e um grupo de 6 viaturas, sendo 4 para combate a incêndios, 1 para socorros a náufragos, com respectivo atrelado, uma outra para serviços de ambulância, 2 moto bombas para serviços de incêndios e outras tantas para serviço de esgotamento, manter-se a Corporação num pobre e modestíssimo quartel, em edifício de renda, incapaz para acomodar todo o pessoal e material. Assim, em 1969, para obtenção do necessário terreno junto da Casa-Escola da Travessa do Matinho, foi adquirido um armazém a Emídio Barradas, por 350.000$00. (Escritura de 16/12/1969, lavrada no Lº de Notas nº. 20 do Notário Privativo da C.M.P.). Meses antes, em Junho do mesmo ano, num terreno municipal contíguo havia já sido lançada a primeira pedra do novo Quartel, na presença do Inspector de Incêndios da Zona Sul, Coronel Rogério de Campos Cansado, acompanhado pelo então Presidente da Câmara, Vítor João Albino de Almeida Baltazar.
Aproveitando a cerimónia, foram benzidas pelo Pároco das Freguesias de Peniche as viaturas que tinham sido recentemente
adquiridas: uma "Citroen ID", a que foi dado o nome de "Vila de Peniche", tendo sido madrinha a esposa do Sr. Presidente da Câmara, Ex.ma Sra. D. Helena Baltazar, e um carro de nevoeiro (G.M.C.) - todo o terreno, baptizado com o nome do Comandante da Corporação, Sr. Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho, tendo sido madrinha a esposa deste, Ex.ma Sra. D. Ruth Freire Vidal de Carvalho.
A 3/7/1969 está em bom andamento a concretização do novo quartel na Travessa do Matinho, sendo apresentado por aquela Associação Humanitária um ante-projecto da obra, da autoria do ex-Padre Sr. Alcides dos Santos Martins, filho que foi desta terra, que se dignou ofertar todos os trabalhos de gabinete.
Em 2/9/1970, a Edilidade aprova, por unanimidade, a alienação gratuita à Associação dos Bombeiros de 948 m2 de terreno para ali ser implantado o seu quartel/sede.
Em aditamento àquela cedência, a Direcção-Geral de Administração Política e Civil do Ministério do Interior, impõe algumas cláusulas. É de salientar a alínea b): - "Se não for cumprido o prazo estipulado ou se ao terreno cedido for dado destino diferente daquele que justifique a cedência gratuita, reverterá o mesmo para o Município incluindo as benfeitorias nele efectuadas, sem direito a qualquer indemnização.”. Também o Governo Civil do Distrito se pronunciou sobre o assunto concordando com as deliberações camarárias de 2 de Setembro e 2 de Dezembro de 1970, bem como com as cláusulas propostas pela Direcção Geral de A. P. C. do Ministério do Interior. Todo este processo culminou com o despacho ministerial de aprovação de 12 de Julho de 1971.
Foi grande a labuta para se conseguir alcançar o objectivo desejado. Toda a Corporação se empenhou na construção do novo Quartel, tendo a trabalhar ao lado do seu Comandante Luís Filipe, o Presidente da Direcção Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa.
Em fins de Outubro de 1972 está concluída a 1ª. fase das obras do novo quartel dos bombeiros, começando nesta data a ser utilizado o respectivo parque de viaturas. Surgem as primeiras bandeiras na sua fachada inacabada. Resolveu a Direcção, com o acordo unanime do corpo activo, dar a este parque de viaturas o nome do seu Comandante.
Procedeu-se à transferencia das viaturas para a nova unidade e foi com uma ponta de saudade e comoção que se assistiu à passagem do primeiro pronto-socorro dos B.V.P. Foram bombeiros daqueles primeiros tempos que o conduziram: Manuel António Malheiros, António Belarmino Rodrigues, José do Rio e Luís Caseiro.
Em Maio de 1976, como já havia lugar para as viaturas, um grupo de bombeiros, constituindo-se em grupo de iniciativa a que deram o nome de "Movimento Pró-Bombeiros" adquiriu e ofereceu à própria Corporação uma nova ambulância, devidamente equipada, de marca "Peugeot 504".
Conforme lhes foi possível, continuaram a proceder a novas aquisições. Em fins do ano de 1978, foi adquirida uma nova viatura de combates a incêndios.
Durante o ano de 1983 foi aumentado o património da Associação com mais uma ambulância "Renault", viatura equipada com suspensão especial para transporte de 2 sinistrados, ou doentes, e 2 acompanhantes, bem como com uma auto-escada “Magirus" importada da Inglaterra.
Não obstante toda a boa vontade e esforço despendido, estas aquisições só foram possíveis com forte apoio financeiro da Autarquia.
Por deliberação camarária de 23/14/1985, foi concedida comparticipação para a obtenção de um auto-pronto socorro.
Também no cumprimento do programa festivo das comemorações do 58º aniversário da Associação Humanitária foram benzidas 3 novas viaturas: um auto-tanque pesado, uma ambulância de transporte e uma de pronto-socorro. Todos estes meios de socorrismo vieram concorrer para melhorar a qualidade e a eficácia dos serviços que aos bombeiros competem, exigindo também deles maior grau de formação técnica.
Como parte do programa deste mesmo dia, procedeu-se à inauguração de um monumento ao bombeiro, constituído por uma bela peça em bronze que foi colocada na fachada do quartel.
Mais um ano decorrido que não deixou de ser assinalado com um novo pronto-socorro equipado com vários rolos de mangueiras para combate a incêndios de matérias combustíveis.
Em meados de 1989, começaram os Corpos Gerentes desta Instituição a notar que, mesmo com ampliações que se fizeram em terrenos confinantes com o quartel, adquiridos, por compra, pelo Município, as instalações se mostravam insuficientes para o grande movimento que os Bombeiros registavam.
Assim, em 24 de Agosto de 1989, a Associação dirigiu uma carta à Câmara Municipal apresentando alternativas previstas para a implantação de um novo quartel.
Na reunião camarária de 8/5/1990 estiveram presentes todos os representantes da Associação dos Bombeiros, recentemente eleitos. O Senhor Júlio Alberto São Bento Correia, Presidente da Direcção, referiu-se ao novo quartel dos Bombeiros informando a Edilidade de que a elaboração do projecto havia sido confiada a uma equipa de arquitectos, encontrando-se já concluído o estudo preliminar. Disse tratar-se de um
Quartel do tipo C, com parada do tipo D, dimensionado para o serviço de áreas com oitenta mil habitantes, e que ia ser dotado com um heliporto.
Como o terreno destinado à implantação do edifício já tinha sido escolhido, a Câmara, na mesma reunião, concedeu autorização para a colocação de uma placa informando o público das novas instalações.
Na sequência do já deliberado sobre o assunto, em reunião camarária de 26/6/1990, foi aprovada a localização do novo quartel dos Bombeiros Voluntários de Peniche, na Prageira, no gaveto formado pela Avenida do Porto de Pesca e pela Rua da Ponte Velha, a nascente desta.
Por deliberação camarária de 9/10/1995, foi cedida a esta Associação, pelo valor simbólico de 5.000$00, a necessária parcela de terreno, com 12 800 m2, sita na Prageira, junto a Rua da Ponte Velha, com destino à construção do novo quartel.
Em pouco mais de 3 anos, a um Sábado, dia 13 de Março de 1999, é concretizado o grande sonho da Associação para a cidade de Peniche. Naquela tarde procedeu-se à cerimónia do arrear das bandeiras do antigo quartel, pelo Comandante em exercício Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa, pelo graduado mais antigo Joaquim Rogério e pelo Presidente da Direcção Júlio Alberto São Bento Correia. Já pela tarde fora, com a presença de Sua Excelência o Sr. Presidente da Republica, Dr. Jorge Sampaio, acompanhado por altas personalidades civis e militares, entre as quais se encontrava o Secretário do Estado da Administração Interna, Armando Vara, foi inaugurado o Novo Quartel, acto a que se seguiu uma sessão solene.

APONTAMENTOS DIVERSOS:
- Em 21/7/1929, passado pouco mais de um mês da criação dos Bombeiros, o Governador Civil deste Distrito visitou Peniche, a fim de verificar as necessidades que aqui existiam. A guarda de honra foi feita pela nova Corporação dos Bombeiros Voluntários, que nesse dia tiveram a sua primeira formatura oficial, acompanhada pela Banda da Filarmónica Penichense.
- A fim de angariar fundos para auxiliar a manutenção dos serviços, os Bombeiros durante largos anos exploraram uma sala de bailes com bar. Tratava-se de um armazém propriedade de José Gago da Silva, onde havia funcionado uma fábrica da indústria de conservas de peixe, sito na Travessa de N.ª Sr.ª da Conceição. Era conhecido pelo baile do "Esfrega”.
- A actual Fanfarra teve o seu começo entre 1945/46, com poucos elementos que tocavam clarim. Estre eles destacaram-se José Matias, Joaquim Alves Bartolomeu e Renato Neves.
- A Associação dos Bombeiros, em 14/4/1969, prestou guarda de honra ao Chefe do Estado, Almirante Américo de Deus Rodrigues Tomás, distinguindo esta personalidade com o mais alto galardão da colectividade, ou seja o grau de Sócio Honorário.
- No dia do 43º. aniversário da fundação da Corporação, fez parte do programa das comemorações o descerramento da lápide que designa por Rua dos Bombeiros Voluntários a antiga Travessa do Matinho.
- Aquando da passagem do 46º. Aniversário da Associação foi-lhe concedida pela Liga dos Bombeiros Portugueses a medalha de ouro de duas estrelas distinguindo assim este Corpo pelo seu serviço à causa do voluntariado.
- Em sua reunião de 13/6/1979, a Câmara Municipal de Peniche mandou exarar na respectiva acta um voto de público louvor e agradecimento àquela benemérita instituição, sua Direcção, Comando e Corpo Activo, pela sua abnegação, coragem e dedicação ao longo de cinquenta anos, devotados ao serviço de toda a população do nosso concelho.
- Na celebração destas bodas de ouro foi agraciado, pelo Conselho Administrativo e Técnico da Liga dos Bombeiros Portugueses, o Comandante Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho, com a medalha de ouro, duas estrelas, pelos seus relevantes serviços.
- Nas comemorações do 58º aniversário da Associação um dos momentos altos das festividades foi, em 21 de Junho, a sessão solene com a atribuição de condecorações por assiduidade. De salientar, com a medalha de ouro: o 2º Comandante Joaquim Barradas Leitão, o Bombeiro de 1º classe António Berto Martins Alfaiate e o motorista auxiliar Hernani dos Santos do Carmo.
- Também ao 2º. Comandante Leitão, além das medalhas que já possuía, foi atribuída pelo Município, em reunião de 23/3/93, a Medalha de Prata de Mérito Municipal por Benemerência.
- Por escrutínio secreto e por unanimidade, foi atribuída a titulo póstumo medalha idêntica a José António da Lídia Belo, tendo-se associado a esta homenagem a Liga dos Bombeiros Portugueses com a atribuição da sua medalha de ouro. Para perpetuar a memória deste benemérito, que destinou à Associação dos Bombeiros Voluntários de Peniche um donativo de 30.000.000$00 para ser aplicado na construção do novo quartel, foi dado o seu nome ao novo parque de viaturas de incêndios.
- De referir algumas condecorações concedidas ao Comandante Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa, pelos relevantes serviços prestados à nobre causa dos Bombeiros: 1 crachá de ouro, a 27/10/1996, em cerimónia realizada em Caldas da Rainha aquando do 36º Congresso Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses, bem como a Medalha de Honra do Município, cunhada a ouro, aprovada em reunião camarária de 4/11/1996, por proposta dos Vereadores do Partido Socialista.
- Seria aqui um nunca mais acabar com os reconhecimentos dados pelo Município, Liga dos Bombeiros Portugueses e pela própria Instituição aos seus Soldados da Paz que têm servido o nosso Concelho.
- Quiseram também os nossos Bombeiros seguir a antiquíssima tradição e praxe mundialmente difundida adoptando um orago ou padroeiro de cariz religioso. Talvez por na sua biografia estar incluída a fama de um milagre na extinção de um incêndio urbano e pelas curas do mal ardente, a escolha recaiu em "S. Marçal", Bispo da Igreja.
- Também aquela Corporação quis honrar os seus mortos inumando-os o mais próximo possível uns dos outros. A seu pedido, foi deliberado pela Câmara Municipal que fossem destinados a constituir o talhão privativo dos Bombeiros Voluntários, os covais números cinco a doze das filas um a três do talhão 10 do Cemitério Municipal de Peniche.
- O emblema da Associação colocado na fachada do novo Quartel dos Bombeiros Voluntários de Peniche é uma excelente peça de louça artística oferecida pelo seu autor, Sr. Álvaro José de Oliveira Mendes, de Caldas da Rainha, que assim, com a sua arte e o seu meritório gesto, quis homenagear a terra natal de sua esposa Sra. D. Maria José de Carvalho Nicolau.


SÓCIOS FUNDADORES DA ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PENICHE
Francisco Maria Freire
José Augusto Chaves
Francisco José Machado Júnior
António Maria de Sousa
Joviano Passos Coelho
Fernando A. Ferreira
João Henriques Bolas
Torquato de Jesus Leitão
José Pedro
Saul Gonçalves
José Ferreira Duarte Montez (ou Montes)
Manuel Joaquim Bento
Mário de Almeida Neves
Manuel do Nascimento Júnior
Afonso leitão Costa
José Franco Lobo
João Baptista Frazão (Dr.)
Antero de Ascenção Leitão
Augusto Veloso
José Acúrcio Vidal de Carvalho
José Manuel dos Santos Ginja
António Luís Pereira Montez
Acácio de Sousa Lacerda
Dionísio Rodrigues Marques
José Maria de Carvalho Oliveira
António Evaristo Miranda
Vasco da Gama Leitão
Cláudio Leitão
Francisco de Freitas Trindade
Joaquim Guilherme de Faria Júnior

PRESIDENTES DAS DIRECÇÕES DA ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PENICHE, DESDE A SUA FUNDAÇÃO
1929 – António Maria de Oliveira
1933 – Dr. João Baptista Frazão
1934 – Francisco de Freitas Trindade
1935/36 – João Mendes Madeira Sobrinho
1937 – Dr. João Baptista Frazão
1938/39 – João Mendes Madeira Sobrinho
1940/41 – Adelino Henriques Gaspar dos Santos
1942 – Dr. José Sales Gomes
1953/57 – Aires Henriques Bolas
1963 – Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho
1965 – Vítor João Albino de Almeida Baltazar
1966/68 – Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho
1976 – Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa
1977 – Pedro Manuel da Trindade Pinto Soares
1978/79 – António Agostinho Godinho Coelho e Silva
1980 – Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa
1981/83 – Nelson Rocha
1984/87 – Carlos Alberto dos Santos
1988/89 – Armando Faria da Silva Fandinga
1990/2000 – Júlio Alberto São Bento Correia
2001 – Evaristo da Silva Cavalheiro

COMANDANTES DA CORPORAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE PENICHE, DESDE A SUA FUNDAÇÃO
27/11/1932 – Para 2º Comandante António Adelino Gomes da Silva (já vinha a exercer interinamente o comando desde a fundação)
04/01/1937 – 1º Comandante António Alves
06/05/1940 – 1º Comandante Joaquim de Paiva
31/10/1942 – 1º Comandante Alberto Monteiro de Proença
31/10/1942 – 2º Comandante Manuel António Malheiros
05/11/1958 – 1º Comandante Luís Filipe Jordão Vidal de Carvalho
1981 – 1º Comandante Jacinto Teodósio Ribeiro Pedrosa
19/12/1980 – 2º Comandante Joaquim Barradas Leitão
1999 – 1º Comandante Carlos Alberto Remígio Garcia

Agradecimento a Nuno Miguel Leitão pelas fotos nmnleitao@gmail.com